Par Deus, senhor, já eu bem sei

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Par Deus, senhor, já eu bem sei
por Vasco Fernández Praga de Sandim


Par Deus, senhor, já eu bem sei
ca, entanto com'eu viver,
ca nunca de vós hei d'haver,
mal pecado!, se coita nom.
Mais por end'ora que farei?
Que nom sei est'em sazom
de por en conselh'i poer.
  
Que nunca eu já poderei
por vós tanta coita prender
que m'eu por en possa creer
se por voss'homem quite nom;
e poilo eu desta guis'hei,
por Deus, meted'o coraçom,
se poderdes, em vos prazer.
  
E, mia senhor, al vos direi
que mi devedes a creer:
se o nom quiserdes fazer,
nom tenh'eu i se morte nom.
E senhor, preguntar-vos-ei:
dizede, se Deus vos perdom,
será bem d'eu assi morrer?
  
E nunca vos eu já irei
de mia fazenda mais dizer.
Mais aque-m'em vosso poder,
per bõa fé, que doutra nom!
E per mi nom vos falarei,
ca, se vos rem fiz sem razom,
dereit'é de m'eu padecer.