Pelas sombras

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pelas sombras
por Castro Alves
Poema publicado em Espumas Flutuantes


Ao Padre Francisco de Paula


C'est que já suis frappé du doute

C'est que l'étoile de Ia foi
N'éclaire plus ma noire route:
Tout est abime autour de moil

LA MORVONNAIS


Senhor! A noite é brava... a praia é toda escolhos.

Ladram na escuridão das Circes as cadelas...
As lívidas marés atiram, a meus olhos,
Cadáveres, que riem à face das estrelas!

Da garça do oceano as ensopadas penas
O mórbido suor enxugam-me da testa.
Na aresta do rochedo o pé se firma apenas...
No entanto ouço do abismo a rugidora festa!...
Nas orlas de meu manto o vendaval s'enrola...
Como invisível destra açoita as faces minhas...

Enquanto que eu tropeço... um grito ao longe rola...

"Quem foi?" perguntam rindo as solidões marinhas.

Senhor! Um facho ao menos empresta ao caminhante.
A treva me assoberba... O' Deus! dá-me um clarão!
E uma Voz respondeu nas sombras triunfante:
"Acende, ó Viajorl — o facho da Razão!"

Senhor! Ao pé do lar, na quietação, na calma
Pode a flama subir brilhante, loura, eterna;
Mas quando os vendavais, rugindo, passam n'alma,
Quem pode resguardar a trêmula lanterna?
Torcida... desgrenhada aos dedos da lufada
Bateu-me contra o rosto... e se abismou na

Eu vi-a vacilar... e minha mão queimada
 
A lâmpada sem luz embalde ao raio eleva.
Quem fez a gruta — escura, o pirilampo cria!
Quem fez a noite-azul, inventa a estrela clara!
Na fronte do oceano— acende uma ardentia!

Com o floco do Santelmo — a tempestade aclara!
Mas ai! Que a treva interna — a dúvida constante —

Deixaste assoberbar-me em funda escuridão!...
E uma Voz respondeu nas sombras
triunfante:
"Acende, ó Viajor! a Fé no coração!..."