Pintura de uma dama namorada de um letrado

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pintura de uma dama namorada de um letrado
por Manuel Botelho de Oliveira


Quando agora mais amante
Vos vejo estar estudando
Cuidados da Deusa Astréia
Nos ócios do Deus vendado;

Pois amais um Serafim,
Donde achais como letrado,
Que se aclama Peregrino
Quanto sois Feliciano.

O cabelo, que por negro,
E por lustroso comparo,
É muito Nigro nas cores,
É muito Febo nos raios.

Traz nos olhos, e na testa
Alvoroto, pois alcanço
Que Alva se ostenta por branca,
Que o Roto tem por rasgados.

Com Júlio Claro parecem,
Se estão peitos abrasando;
Cada qual no ardor é Júlio,
Cada qual na luz é Claro.

Se o gracioso rosto advirto,
Se o belo nariz retrato,
É seu nariz Fermosino,
É seu rosto Graciano.

Na boquinha faladora,
Que mui rosada a declaro,
É nas vozes Parladoro,
É nas cores Rosentálio.

A Mascardo, e Lambertino
Na língua, e nos dentes acho;
É na língua Lambertino,
É nos seus dentes Mascardo.

Tomásio, e Nata pondero,
Se os peitos, e mãos comparo;
Nos peitos de leite a Nata,
Nas mãos de avara a Tomásio.

Leotardo o coração julgo
Com rigores igualados;
É nos rigores mui Leo,
É nos favores mui Tardo.

Espino, e Salgado, amigo,
Quero nela ponderar-vos;
É seu desdém todo Espino,
Todo seu dito é Salgado.

Enfim se quereis de Clóri
Os favores soberanos,
Dai-lhe lições de Moneta,
Tereis estudos de Amato.