Poemas e Canções (Vicente de Carvalho, 1917)/Velho tema/VI

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lembrai!" diz-me o passado: "Eu sou a aurora"...
por Vicente de Carvalho
Poema publicado em Poemas e Canções


“Lembra!” diz-me o passado. “Eu sou a aurora
E a primavera, o olhar que se enamora
De quanto vê pelo caminho em flor;
Para o teu coração cansado e triste
É recordar-me — o único bem que existe...
Eu sou a mocidade, eu sou o amor.”

“Vive!” diz-me o presente. “Alma suicida,
Louca, não peças à árvore da vida
Mais que os amargos frutos que ela tem;
Deixa a saudade e foge da esperança,
Faze do pouco que teu braço alcança
O teu mesquinho, o teu único bem.”

“Sonha!” diz-me o futuro: “O sonho é tudo,
Eu sobre as tuas pálpebras sacudo
A poeira da ilusão! ... sonha e bendiz!
Eu sou o único bem porque te engano,
E o desgraçado coração humano
Só com o que não possui é que é feliz.”

Eu ouço os três, e calo-me: desisto
De quanto me prometem, porque nisto
Todos se enganam, todos, menos eu:
Beijo dos lábios da mulher amada,
O único bem és tu! Não há mais nada...
E tu és de outro, e nunca serás meu!