Poesias (Bernardo Guimarães, 1865)/Cantos da solidão/Esperança

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cantos da solidão por Bernardo Guimarães
Esperança
Poema publicado em Poesias (1865).
ESPERANÇA



Espère, enfant! — demain! — et puis demain encore;
Et puis, toujours demain!

(V. Hugo.)





Singrando vai por mares não sulcados
Aventureiro nauta, que demanda
Ignotas regiões, sonhados mundos;
     Eil-o que audaz se entranha
Na solidão dos mares — a esperança
Em lisongeiros sonhos já lhe pinta
Rica e formosa a terra suspirada,
     E corre, corre o nauta
Avante pelo paramo das ondas;
Além um ponto surde no horizonte
Confuso — é terra! — e o coração lhe pula
     De insolito prazer.

Terra! — terra! — bradou—e era uma nuvem!
     E corre, corre o nauta
Avante pelo paramo das ondas;
No profundo horizonte os olhos avidos
Ancioso embebe; — ai! que só divisa
     Ermos céos, ermas ondas....
O desalento já lhe côa n’alma;
Oh! não; eis nos contins lá do oceano
     Um monte se desenha;
Não é mais illusão — já mais distincto
Surge acima das ondas — oh! é terra!
Terra! — terra! — bradou; era um rochedo,
Onde as ondas batendo eternamente
     Rugindo se espedação.

Eis do nosso passar por sobre a terra
Em breve quadro uma fiel pintura;
E’ a vida oceano de desejos
     Intermino, sem praias,
Onde a esmo e sem bussola boiamos
Sempre, sempre com os olhos enlevados
Na luz d’esse fanal mysterioso,
Que alma esperança mostra-nos sorrindo
     Nas sombras do porvir.

     E corre, e corre a existencia,
     E cada dia que cahe
     Nos abysmos do passado
     E’ um sonho que se esvai,

     Um almejo de noss’alma,
     Anhelo de f’licidade
     Que em suas màos espedaça
     A cruel realidade;

     Mais um riso que nos labios
     Para sempre vai murchar,
     Mais uma lagrima ardente
     Que as faces nos vem sulcar;

     Um reflexo de esperança
     No seio d’alma apagado,
     Uma fibra que se rompe
     No coração ulcerado.

     Pouco e pouco as illusões
     Do seio nos vão fugindo,
     Como folhas ressequidas,
     Que vão d’arvore cahindo;

     E nua fica nossa alma
     Onde a esp’rança se extinguio,
     Como tronco sem folhagem
     Que o frio inverno despio.

     Mas como o tronco remoça
     E torna ao que d’antes era,
     Vestindo folhagem nova
     C’o volver da primavera,

     Assim na mente nos pousa
     Novo enxame de illusões,
     De novo o porvir se arreia
     De mil douradas visões.

     A scismar com o futuro
     A alma de sonhar não cansa,
     E de sonhos se alimenta,
     Bafejada da esperança.

Esperança que és tu? Ah! que minha harpa
Já não tem para ti sons lisongeiros;
Sim — n’estas cordas já por ti malditas
     Acaso tu não ouves

As queixas abafadas que susurrão,
E em voz funerea soluçando vibrão
     Um cantico de anathema?
Chamem-te embora balsamo do afflicto,
Anjo do céo que nos alenta os passos
     Nas sendas da existencia;
Nunca mais poderás, fada enganosa,
Com teu canto embalar-me, eu já não creio
     Nas tuas vãs promessas;
Não creio mais n’essas visões donosas
Fantasticos painéis, com que sorrindo
     Matizas o futuro!
Estereis flôres, que um momento brilhão
E cahem murchas sem deixarem fructo
     No tronco desornado.
— Vem após mim — ao desditoso dizes; —
Não esmoreças, vem; — é vasto e bello
O campo do futuro; — lá florecem
As mil delicias que sonhou tua alma,
Lá te reserva o céo o doce asylo
A cuja sombra abrigarás teus dias.
     Porém — é cedo — espera.
E eil-o que vai com os olhos enlevados
     Nas cores tão formosas

Com que bordas ao longe os horizontes....
E fascinado o misero não sente
     Que mais e mais se embrenha
Pela sombria noite do infortunio.
E se dos labios seus queixas exhala,
Se o fel do coração emfim transborda
Em maldições, em gritos de agonia,
Em teu regaço, perfida seréa,
Co’a voz embaidora, inda o acalentas;
— Não esmoreças, não; — é cedo; espera; —
     Lhe dizes tu sorrindo.
E quando emfim no coração quebrado
De tanta decepção, soffrer tão longo,
Nos vem roçar do desalento o sopro,
Quando emfim no horizonte tenebroso
A estrella derradeira em sombras morre,
Esperança, teu ultimo lampejo,
Qual relampago em noite tormentosa,
Abre clarão sinistro, e mostra a campa
     Nas trevas alvejando.