Poys nam tenho que perder

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Poys nam tenho que perder
por João de Meneses
Cantiga publicada em 1516 no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende.


Cantigua sua andando ele e o prior do crato d'amores com dona guyomar de meneses e fengio que o fazia pelo jogo.

Ryfam.

Poys nam tenho que perder,
nem espero de ganhar,
para que quero juguar?

O joguo sempre traz dano
a quem joga; mais verdade
o ganho vem por engano,
por bulrras e falsydade.
E de tal enfermydade
poucos podem escapar,
se nam deyxam de juguar.

O perdido e o ganhado,
tudo vay como nam deve;
o que menos dita teve
foy melhor aventurado.
leva menos emprestado
tera pouco que paguar
quando quer que o tornar.

Hũa joya preçiosa,
cujo era, que perdy,
sendo falssa e enganosa,
nunca cousa mays senty.
Porem nela conheçy,
co triste que a levar
a vyda lh'a de custar.

Com mas cartas, ma fegura,
com maos dados ma levou;
ambos temos maa ventura,
quem perdeo e quem ganhou.
Eu porque m'ela deyxou,
o triste que a levar
porque çedo o a de deyxar.

Fim.

Levouma mas, nam por ter
melhores trunfos nem mais,
com muyto poucos metays,
com muyto menos saber;
Se nam soo por ela ser
tal que nunca pod'estar
hum'ora sem se mudar.