Praz-m' a mi, senhor, de morrer

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Praz-m' a mi, senhor, de morrer
por Dom Dinis


Praz-m' a mi, senhor, de moirer
e praz-m' ende por vosso mal,
ca sei que sentiredes qual
míngua vos pois hei-de fazer;
ca nom perde pouco senhor
quando perde tal servidor
qual perdedes em me perder.

E com mia mort' hei eu prazer
porque sei que vos farei tal
míngua qual fez homem leal
o mais que podia seer
a quem ama, pois morto for;
e fostes vós mui sabedor
d'eu por vós a tal mort'haver.

E, pero que hei-de sofrer
a morte mui descomunal,
com mia mort'oimais nom m'em chal[1],
por quanto vos quero dizer:
ca meu serviç'e meu amor
será-vos d'escusar peior
que a mim d'escusar viver.

E certo podedes saber
que, pero s'[2] o meu tempo sal[3]
per morte, nom há já i al
que me nom quer end'eu doer
porque a vós farei maior
míngua que fez Nostro Senhor
de vassal'a senhor prender.

Notas[editar]

  1. Chal ou cal, verbo defectivo ou impessoal da língua romana que significa fazer caso, e que com a negativa e o pronome que o procede equivale a frase portuguesa: não se me dá.
  2. Esso , desta maneira, assim mesmo.
  3. Sal, Terceira pessoa do presente do verbo salir - Sair do mundo, morrer.