Quando apareces, fica-se impassível

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quando apareces, fica-se impassível
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em O Livro DerradeiroJulieta dos Santos


Quando apareces, fica-se impassível
E mudo e quedo, trêmulo, gelado!...
Quer-se ficar com atenção, calado,
Quer-se falar sem mesmo ser possível!.

Anda-se c'o a alma n'um estado horrível
O coração completamente ervado!...
Quer-se dar palmas, mas sem ser notado,
Quer-se gritar, n'uma explosão temível!...

Sobe-se e desce-se ao país das fadas,
Vaga-se co’as nuvens das mansões douradas
Sob um esforço colossal, titânico!...

E as idéias galopando voam...
Então lá dentro sem parar, ressoam
As indomáveis convulsões do crânio!!...