Que razom cuidades vós, mia senhor

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Que razom cuidades vós, mia senhor
por Dom Dinis


Que razom cuidades vós, mia senhor,
dar a Deus, quand'ant'El fordes, por mi
que matades, que vos nom mereci
outro mal senom que vos hei amor
aquel maior que vo-l'eu poss'haver,
ou que salva[1] lhi cuidades fazer
da mia morte, pois por vós morto for?

Ca na mia morte nom há razom
bona que ant'El possades mostrar,
desi nom o er podedes enganar,
ca El sabe bem quam de coraçom
vos eu am'e nunca vos errei;
e por em quem tal feito faz bem sei
que em Deus nunca pod'achar perdom.
 
Ca de pram Deus nom vos perdoará
a mia morte, ca El sabe mui bem
ca sempre foi meu saber e meu sem
en vos servir. Er sabe mui bem
que nunca vos mereci por que tal
morte por vós houvesse, por em mal
vos será quand'ant'El formos alá.

Notas[editar]

  1. Fazer salva ou salvar. Justificar-se, livrar-se da culpa de que é accusado.-> Er. Pronome pessoal indeclinável da 1ª e 3ª pessoa. Em lugar de El segundo o A. do Elucidário. J.P. Ribeiro nas Disset. chronol. e críticas, t.4, p. 2. App 6 p 121. Corrigindo o Elucidário, afirma que Er ou Her foi sempre uma partícula expletiva da língua, e não supletória do artigo. Mr Raynonard no Lexique roman traduz er por presentemente, agora.