Queda que as mulheres têm para os tolos/II

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Desde a mais remota antiguidade, sempre as mulheres tiveram a sua queda para os tolos.

Alcibiades, Socrates e Platão foram sacrificados por ellas aos presumidos do tempo. Turenne, La Rochefoucauld, Racine e Molière, foram trahidos por suas amantes, que se entregaram a basbaques notorios. No seculo passado todas as boas fortunas foram reservadas aos pequenos abbades. Estribados nesses exemplos, as nossas contemporaneas continuam a idolatrar os descendentes dos idolos das suas avós.

Não é nosso fim censurar uma tendencia , que parece invencivel; o que queremos é motival-a.

Por menos observador e menos experiente que seja, qualquer pessoa reconhece que a toleima é quasi sempre um penhor de triumpho. Desgraçadamente ninguem póde por sua propria vontade gozar das vantagens da toleima. A toleima é mais do que uma superioridade ordinaria: é um dom, é uma graça, é um sello divino.

«O tolo não se faz, nasce feito.»

Todavia, como o espirito e como o genio, a toleima natural fortifica-se e estende-se pelo uso que se faz della. E' estaccionaria no pobre diabo, que raramente póde applical-a; mas toma proporções desmarcadas nos homens a quem a fortuna, ou a posição social cedo leva á pratica do mundo. Este concurso da toleima innacta e da toleima adquirida é que produz a mais temivel especie de tolos, os tolos que o academico Trublet chamou «tolos completos, tolos integraes, tolos no apogêo da toleima.»

O tolo é abençoado do céo pelo facto de ser tolo, e é pelo facto de ser tolo, que lhe vem a certeza de que qualquer carreira que tome, hade chegar felizmente ao termo. Nunca solicita empregos, aceita-os em virtude do direito que lhe é proprio: Nominor leo. Ignora o que é ser corrido ou desdenhado; onde quer que chegue, é festejado como um cónviva que se espera.

O que oppor-lhe como obstaculo? E' tão energico no choque, tão igual nos esforços e tão seguro no resultado! E' a rocha despegada, que rola, corre, salta e avança caminho por si, precipitada pela sua propria massa.

Sorri-lhe a fortuna particularmente ao pé das mulheres. Mulher alguma resistio nunca a um tolo. Nenhum homem de aspirito teve ainda impunemente um parvo como rival. Porque?... Ha necessidade de perguntar porque? Em questão de amor, o parallelo a estalelecer entre o tolo e o homem de siso, não é para confusão do ultimo?