Quem achou hum Minino

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quem achou hum Minino
Vilhancico publicado em Villancicos que se cantaram na Capella Real do Muito Alto, & muito Poderoso Princepe D. Pedro Nosso Senhor Nas Matinas da Noite do Natal no ano de 1670 (como Villancico III) e em Villancicos que se cantaram na Cappella Real, do muito alto e muy poderoso Rey D. Pedro II. Nosso Senhor Nas Matinas, & Festa dos Reys no ano de 1689 (como Villancico VI).


1 Quem achou hum Minino,
Que de amores anda perdido?
2 Que sinaes leva?
1 Vestido vai de encarnado,
Inda que he tal o vestido,
Que com ser hoje provado,
Parece que vai despido.
3 Não o hemos visto.
1 Quem achou hum Minino,
Que de amores anda perdido?
2 Que sinaes leva?
1 Seu Pay o tinha mandado,
E era o caminho comprido,
Em traje foi de criado,
Por isso desconhecido.
3 Não o hemos visto.
1 Digaõ senhores, a quem
Por Amor perguntarei?
2 Aos Pastores de Belem.
1 Aà Pastores,
Vistes là hum Minino de flores?
3 Quem o pergunta, quem?
1 Hũa alma morta de amores,
Que desta noite aos rigores
Buscando seu amor vem.
3 Pois correi, caminhai, que em Belem
Esse Minino achareis,
De amores perdido,
Aà neve despido,
De Amor abrasado,
Nas palhas deitado,
Que assi faz quem amores tem.


Coplas.


Minino tão bem nacido,
Quem a tanto vos obriga?
Quereis, que o mundo vos diga,
Andai, que sois hum perdido;
Aa neve pobre, & despido
Vos traz o mundo meu Bem,
Mas direisme meu Minino,
Que assi faz quem amores tem.

Quem diria, meu encanto,
Que sendo vòs increado,
Tomeis manhas de creado,
Por isso tardasseis tanto;
Porèm, meu Bem, não me espanto,
Que se amores vos detem,
Respondereis, meus cuidados,
Que assi faz quem amores tem.

Por tal Amor num Portal
Padecendo estaes rigores,
Mas em materias de amores,
Sempre eu vos tive por tal;
Quem he fino, & liberal,
A despresar penas vem,
E assi direis, meu feitiço,
Que assi faz quem amores tem.

De Amor ardeis, & em rigor,
Quando vos vejo abrasar,
Podeis de sitio mudar,
Mas não variar de Amor.
Excesso foi, minha Flor,
De que tal febre vos vem;
Mas direisme, minha vida,
Que assi faz quem amores tem.

Trasvos o mundo despido,
E davos, meu Bem, mao trato,
Estando o Trigo barato,
E o ouro taõ abatido;
Elle he mao, vòs sois sofrido,
Minha Alma, elle a não tem,
Mas direisme, meus Amores,
Que assi faz quem amores tem.