Quem bem sabe, em tudo sabe

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quem bem sabe, em tudo sabe / De m'atrever que vos gabe
Fernão da Silveira e Álvaro Barreto
Poema publicado em 1516 no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende.


Pregunta do coudel moor a alvaro barreto.

Quem bem sabe, em tudo sabe,
e porem d'aquy concrudo,
que a vos, que sabes tudo,
a solver as questões cabe.
E porem muy de verdade
peço que esta rrespondaes,
pera ver, se conçertaes
com mynha negra vontade.

Ca eu ja me vy partyr
e tambem despoys cheguar.
e senty todo o sentyr
do prazer e do pesar.
Mas com tudo he de saber,
quall he vossa concrusam:
se partir da mays paxam,
ou chegar mayor prazer.

Resposta d'alvaro barreto.

De m'atrever que vos gabe,
minha openiam mudo,
por nam ser huum tam sesudo,
que de vos louvar acabe.
E poys tal estremidade
sobre meu saber mostraes
o nome que vos me daes
vosso gram louvor emade.

Porem sem detremynar
ante quem devo seguyr,
fycando meu departyr
a se por vos emmendar:
Que chegar tenha poder
d'aleguar huum coraçam,
partyr da mays afryçam,
u ha grande bem querer.