Quer-me mal esta cidade

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Queixas da sua mesma verdade
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaO Burgo


Quer-me mal esta cidade...................................pela verdade,
Não há, quem me fale, ou veja..........................de inveja,
E se alguém me mostra amor............................é temor.

De maneira, meu Senhor,
que me hão de levar a palma
meus três inimigos d'alma
Verdade, Inveja, e Temor.

Oh quem soubera as mentiras.............................do Milimbiras,
Fora aqui senhor do bolo.................................. como tolo,
E feito tolo, e velhaco........................................fora um caco.

Meteria assim no saco
Servindo, andando e correndo
as ligas, que vão fazendo
Milimbiras, Tolo, e Caco.

Tirara cinzas tiranas............................................das bananas,
Outro se os meus dez réis...................................de pastéis,
E porque isento não fosse...................................até do doce.

Teria assim, com que almoce
o meu amancebamento,
pois lhe basta por sustento
Bananas, Pastéis, e Doce.

Prendas, que a empenhar obrigo..........................pelo amigo,
Dobrar-lhe eu o valor..........................................e primor,
Cobrando em dous bodegões...............................os tostões.

E seus donos asneirões
ao desfazer da moeda
perdem da mesma assentada
Amigo, Primor, Tostões.

Ao jimbo, que se lhe conta........................................boa conta,
E já por amigo vejo...................................................sem ter pejo,
Pois lhe tira de corrida..............................................a medida.

Mas verdadeira, ou mentida
a conta ajustada vem,
sendo um homen, que não tem,
Conta, Pejo, nem Medida.

Dever-me-ão camaradas..........................................mil passadas,
E o triste do companheiro.......................................o dinheiro,
E à conta das minhas brasas.....................................as casas.

Assim lhe empatara as vazas,
pois o mesmo, que eu devia,
por força me deveria
Passadas, Dinheiro, e Casas.