Regina Cœli (Cruz e Sousa, 1893)

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Regina Cœli
por Cruz e Sousa
Poema publicado em Broqueis (1893).
Obra com ortografia atualizada disponível em Regina Cœli (Cruz e Sousa, ortografia atualizada).




Ó Virgem branca, Estrella dos altares,
Ó Rosa pulchra dos Rosaes polares!

Branca, do alvor das ámbulas sagradas
E das niveas camelias regeladas.

Das brancuras da sêda sem desmaios
E da lua de linho em nimbo e raios.

Regina Cœli das sidéreas flôres,
Hostia da Extrema-Uncção de tantas dôres.


Ave de prata e azul, Ave dos astros...
Santélmo accêso, a scintillar nos mastros...

Gondola ethérea de onde o Sonho emérge...
Agua Lustral que o meu Peccado aspérge.

Bandolim do luar, Campo de giésta,
Egreja matinal gorgeiando em festa.

Arôma, Côr e Som das Ladainhas
De Maio e Vinha verde d'entre as vinhas.

Dá-me, atravez de canticos, de rézas,
O Bem, que almas acérbas torna illésas.

O Vinho d'ouro, ideal, que purifica
Das seivas juvenis a força rica.

Ah! faz surgir, que bróte e que florêsça
A Vinha d'ouro e o vinho resplandêsça.


Pela Graça immortal dos teus Reinados
Que a Vinha os fructos desabroche iriados.

Que fructos, flôres, essa Vinha bróte
Do céo sob o estrellado chamalóte.

Que a luxuria poreje de aureos cachos
E eu um vinho de sol beba aos riachos.

Virgem, Regina, Eucharistia, Crœli,
Vinho é o clarão que ao teu Âmor impélle.

Que desablrócha ensanguentadas rosas
Dentro das naturezas luminosas.

Ó Regina do Mar! Cœli! Regina!
Ó Lampada das naves do Infinito!
Todo o Mysterio azul desta Surdina
Vem d'estranhos Missaes de um novo Rito!...