Sabedes quant'há, 'migo, que m'eu vosco veer

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sabedes quant'há, 'migo, que m'eu vosco veer
por Vasco Fernández Praga de Sandim


Sabedes quant'há, 'migo, que m'eu vosco veer
nom pud', atant'a hoje, que nunca vi prazer;
       e, amigo, grad'hoj'a Deus
       que vos veem os olhos meus.
  
Houv'eu por vós tal coita eno meu coraçom
que nunca vos cuidara veer nulha sazom;
       e, amigo, grad'hoj'a Deus
       que vos veem os olhos meus.
  
E rog'eu, meu amigo, aquel Deus que me fez,
que nunca eu já viva sem vós tan[t]'outra vez;
       e, amigo, grad'hoj'a Deus
       que vos veem os olhos meus.
  
E bem assi mi o quiso mia ventura guisar
que nunca sem vós houvi sabor erg'em chorar;
       e, amigo, grad'hoj'a Deus
       que vos veem os olhos meus.