Sentimento exquisito

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sentimento exquisito
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Sentimento esquisito.



Ó céo estéril dos desesperados,
Fórma impassivel de crystal sidéreo,
Dos cemiterio velho cemiterio,
Onde dórmem os astros delicados.

       5Patria d'estrellas dos abandonados,
Casúlo azul do anceio vago, aéreo,
Formidavel muralha de mysterio
Que deixa os corações desconsolados.


Céo immovel millenios e millenios,
       10Tu que illuminas a visão dos Genios
E érgues das almas o sagrado accórde.

Céo esteril, absurdo, céo immóto,
Faz dormir no teu seio o Sonho ignóto,
Esta serpente que allucina e mórde...