Ser dos seres (grafia original)

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ser dos seres
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Ser dos seres (grafia atualizada).



No teu ser de silencio e d'esperança
A doce luz das Amplidões flammeja.
Elle sente, elle aspira, elle deseja
A grande zona da immortal Bonança.

       5Pelos largos espaços se balança
Como a estrella infinita que dardeja,
Sempre isento da Treva que troveja
O clamor inflammado da Vingança.


Por entre enlêvos e deslumbramentos
       10Entra na Força astral dos sentimentos
E do Poder nos mágicos poderes.

E traz, máo grado os intimos cansaços,
Ancias secrétas para abrir os braços
Na generosa communhão dos Sêres!