Tácito

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tácito
por Luís Delfino
Publicada em Rosas Negras.


Quando Tácito às mãos terríveis de gigante
Na coma sacudia ao tempo Roma escrava,
E em lâminas de bronze eterno ele a cravava
Com stiletes de ferro e puas de diamante,
 
Tinha o incêndio e o esplendor dos Etnas em lava...
Como o oceano aquilões, e o infinito adiante:
Não quisera ser crime, o crime nesse instante,
Que em sua voz a voz dos deuses trovejava.
 
Porém quando aos heróis e ao justo erguia altares,
Parecia envolvê-lo em clâmides solares
Dar à musa da história o amplo verbo de Homero:
 
Assim, quando através dos séculos assoma,
Vê-se que empalidece inda a sombra de Roma
Sob a rígida luz do seu olhar austero...