Tam muito mal mi fazedes, senhor

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tam muito mal mi fazedes, senhor
por Dom Dinis


Tam muito mal mi fazedes, senhor,
e tanta coita e afam[1] levar,
e tanto me vejo coitad'andar
que nunca mi valha Nostro Senhor
se ant'eu já nom queria morrer
e se mi nom fosse maior prazer.
 
Em tam gram coita viv' a gram sazom
por vós, senhor, e levo tanto mal
que vos nom posso, nem sei, dizer qual
e por aquesto Deus nom mi perdom
se ant'eu já nom queria morrer
e se mi nom fosse maior prazer.
   
Tam muit'é o mal que mi por vós vem
e tanta coita lev'e tant'afam
que morrerei con tanto mal de pram
mais pero, senhor, de vós nom mi dê bem
se ant'eu já nom queria morrer
e se mi nom fosse maior prazer.
   
Ca mais meu bem é de morte sofrer
ante ca sempr'en tal coita viver.

Notas[editar]

  1. Esta palavra, que se encontra bem vezes em alguns dos nossos clássicos, nos veio, como outras muitas, da língua romana, ou romance; citaremos um exemplo tirado do poema de Flamenga:
    E'l toste peure fai oblidar (O receber logo faz olvidar)
    L'afan c'om tai al demandar (A pena que causa o demandar.)