Tanto me senç'ora já coitado

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tanto me senç'ora já coitado
por Vasco Fernández Praga de Sandim


Tanto me senç'ora já coitado
que eu bem cuido que poder
nom haja rem de me valer;
ca esta coita, mao pecado!,
tal me tem já que nom hei sem
de me temer de nẽum mal,
nem ar desejar nẽum bem!
  
E pero nunca foi en pensado
que podess'eu per rem veer
o que me faz tal coit'haver,
por que em esto sõo chegado.
E inda vos mais direi en:
nunca del prix, por quanto mal
eu por el prendo, nẽum bem.
  
Ca nunca eu vi, des que fui nado,
Amor, nem prendi del prazer,
nen'o cuido nunca prender
del nem d'al, ca nom é já guisado.
E Amor, de pram, m'em guisa tem
que me nom pode nuzer mal
deste mundo, nem prestar bem.
  
E assi faz-mi, desamparado,
Amor eno mundo viver,
de quanto bem Deus quis fazer;
e per bõa fé, já pelo grado
da senhor, por que m'est'avém,
seu amor nom faria mal
a nulh'home nado, nem bem.