Telegrama de Euclides da Cunha de 11 de agosto de 1897

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
[Telegrama de Euclides da Cunha de 11 de agosto de 1897]
por Euclides da Cunha
Texto agrupado posteriormente e publicado em Diário de uma expedição.


Bahia, agosto 11 (7h30m)

São esperados hoje, do interior, quatrocentos feridos. O Marechal Bittencourt, ministro da Guerra, seguirá até o dia 15 para Queimadas. Embarca amanhã para Queimadas o 29º batalhão de infantaria, com o efetivo de 240 praças e 27 oficiais. Este batalhão trouxe 9 mil cartuchos. Os batalhões 37º e 39º seguirão também logo depois que receberem munições.

As notícias de Canudos dizem que a tropa sitiante está nas mesmas posições aguardando reforços. A população baiana prodigaliza nobilíssima proteção aos soldados da República.

Realizou-se ontem interessante aplicação radioscópica dos raios de Roentgen, para determinar a posição e as dimensões de uma bala Manulicher alojada no espaço intercostal esquerdo de um soldado. O resultado foi magnífico.

Criaram-se novas enfermarias na Escola de Medicina.

A imprensa alia-se ao comitê patriótico baiano, angariando recursos para as famílias dos feridos.

Seguiu hoje para Queimadas o morteiro Canet.