Tulipa Real

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tulipa Real
por Cruz e Sousa
Poema publicado em Broquéis


Carne opulenta, majestosa, fina,
Do sol gerada nos febris carinhos,
Há músicas, há cânticos, há vinhos
Na tua estranha boca sulferina.

A forma delicada e alabastrina
Do teu corpo de límpidos arminhos
Tem a frescura virginal dos linhos
E da neve polar e cristalina.

Deslumbramento de luxúria e gozo,
Vem dessa carne o travo aciduloso
De um fruto aberto aos tropicais mormaços.

Teu coração lembra a orgia dos triclínios...
E os reis dormem bizarros e sangüíneos
Na seda branca e pulcra dos teus braços.