Um "desafio" histórico

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um "desafio" histórico
por Lima Barreto
Crônica publicada em Vida Urbana


Na Paraíba do Norte, quando era do norte, pois acabaram com a do sul, houve um "desafio" que se tornou notável, porquanto nele tomaram parte personagens que hoje são célebres. O caso se passou entre o senhor Epitácio Pessoa, atual presidente da república, e o senhor Pelino Guedes, poeta extraordinário das Trovas do Sertão e diretor-geral da Secretaria da Justiça, presentemente aposentado.

Todos os dois tinham amor por uma cabocla cheirosa que nem a flor do manacá; mas ao que parece ela não se impor­tava com nenhum deles e tinha uma grande admiração por um "saveirista" da vizinhança.

Epitácio começou:

Você que carrega o saco
Deste moço decidido
Diga-me no fim da festa
Quem fica de mal partido

Pelino, à vista disso, quis coçar o bigode e a cabeleira, mas quando ia fazer tal coisa, lembrou-se da Negrita e escondeu o gesto, pensando na resposta que foi esta:

Quem fica de mal partido?
Eu vou já lhe responder
Que no fim deste governo
Eu sei o que vou fazer.

Epitácio, então, ficou meio engasgado e, poucos minutos depois, respondeu ao Pelino das barbas de tinta:

Faço o que me der na telha
Pois seja lá como for
No fim deste governo
Não serás governador.

Epitácio, olhando para a Rita da Anunciação, tomou-se de entusiasmo e vociferou os seguintes versos:

Não serás governador
Só mesmo se não quiser.
Que a força deste manata
Você já sabe qual é.

Pelino, vendo que a Rita tinha ficado impressionada com a resposta, esquentou-se e, com todo o ímpeto, desafiou:

Eu conheço a sua força
Sei a força que você tem
Mas eu cá não tenho medo
Nem de você, nem de ninguém.

Epitácio, apesar de pequenino, cresceu e gritou, fora do tom do fado:

Olhe o que você está falando
Caboclo! você não me atenta!
Nasci eu em Caxangá
E tenho cabelo na venta.

Pelino, com a ousadia inesperada de Epitácio, perdeu um pouco da tintura das barbas, e, quase esbravejando, retrucou:

Nascesse aqui ou ali
Ou mesmo no ôco do pau
Quando estou com a razão
Sou pior que bicho mau.

Mas Pessoa, que é hoje presidente, esqueceu-se da sua célebre "agravante da inundação", e quis fazer uma desgraça verbal, destemperando na quadra. abaixo:

Você vai ver com quantos paus
Fabrica-se uma canoa
Então para o seu governo
Tome no alto da coroa.

O célebre promotor da inundação, atual presidente desta bodega, agrediu o seu contendor; mas nesse meio tempo, a cheirosa criatura, Rita da Anunciação, a cabocla, interveio, en­quanto uma autoridade policial aparecia.

Inteirou-se do caso, soube dos versos e disse simplesmente:

— Mas não são de nenhum deles. Conheço o autor... Rita da Anunciação, que tinha sido objeto de tão falso pugilato, não se pôde conter diante de semelhante desfaçatez e exclamou com desdém:

— Ora bolas!

Dom Quixote, Rio, 15-10-1919.