Em Tradução:A Ciência do Enriquecimento/I

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Ciência do Enriquecimento por Wallace D. Wattles
O Direito de Ser Rico



Contrariando tudo o que se possa dizer para elogio da pobreza, permanece o facto que não é possível viver uma vida realmente completa ou bem sucedida a menos que a pessoa seja rica. Nenhum homem pode alcançar o seu mais alto nível no desenvolvimento do seu talento ou da sua alma a menos que tenha a abundância de dinheiro ou de meios. Para preencher a alma e para desenvolver o talento, a pessoa precisa de ter muitas coisas para uso pessoal, e não pode ter estas coisas a menos que consiga o dinheiro para as comprar.

Uma pessoa progride na mente, na alma, e no corpo fazendo uso das coisas, e na sociedade organizada da actualidade, o homem deve ter dinheiro para obter a posse das coisas; consequentemente, a base do avanço e do progresso das pessoas deverá ser a ciência de ficar rico.

O objectivo de todas as formas de vida é o desenvolvimento; e tudo que vive tem um direito inalienável ao seu próprio crescimento e ao desenvolvimento que seja capaz de alcançar. O direito do homem à vida significa, também, o seu direito a ter o uso livre e irrestrito de todas as coisas que possam ser necessárias à sua expansão mental, espiritual, e física dum modo mais pleno; ou seja o seu direito de ser rico. Ao longo deste plano, não falaremos da riqueza de modo figurativo; ser realmente rico não significa estar satisfeito ou contentar-se com pouco. Ninguém deveria ficar satisfeito apenas com um pouco quando é capaz de usar e apreciar muito mais. A finalidade da natureza é o avanço e o expansão da vida; e cada homem deve ter tudo que poder contribuir para aumentar o seu poder; elegância, beleza, e riqueza da vida; estar satisfeito com o menos é contrário à vida.

O homem que possui tudo o que quer, para viver plenamente toda a vida que for capaz, é um homem rico; ninguém pode ter tudo o que quer enquanto não tiver abundância de dinheiro. A vida avançou tanto, e tornou-se tão complexa, que mesmo o homem ou a mulher comum precisa de uma quantidade grande de riqueza a fim viver de uma maneira mais próxima da integridade. Cada pessoa quer naturalmente transformar-se naquilo em que for capaz de se tornar; este desejo de realizar as possibilidades inatas é inerente na natureza humana; nós temos tendência para querer ser tudo que nós podermos ser.

O sucesso na vida consiste em transformar-se naquela pessoa que você quer ser; você só pode transformar-se na pessoa que quer ser, fazendo uso das coisas, mas você só pode ter o uso livre das coisas quando você se tornar suficientemente rico para as comprar. Compreender a ciência de obter a riqueza é consequentemente o mais essencial de todos os conhecimentos.

Não há nada errado em querer ficar rico. O desejo de riqueza significa o desejo por uma vida mais rica, mais cheia, e mais abundante; e esse desejo é digno de elogio. O homem que não deseja viver mais abundante é anormal, e assim o homem que não deseja ter o dinheiro bastante para lhe comprar tudo quer é anormal.

Há três motivos pelos quais nós vivemos; nós vivemos pelo o corpo, nós vivemos pela mente, nós vivemos pela alma. Nenhum destes é melhor ou mais sagrado que o outro; todos são igualmente desejáveis, e nenhum dos três -- corpo, mente, ou alma --podem viver inteiramente se qualquer uma das outras for cortada brevemente da vida e da expressão plenas. Não é correcto ou nobre viver somente para a alma e negar a mente ou o corpo; e é errado viver apenas para o intelecto e negar o corpo ou a alma.

A vida real significa a expressão completa de tudo o que o homem pode manifestar com o corpo, a mente, e a alma. Apesar do que se possa dizer, nenhum homem pode ser realmente feliz ou satisfeito a menos que seu corpo esteja a viver inteiramente em cada função duma forma plena, e a menos que o mesmo seja também verdadeiro para a sua mente e para a sua alma. Onde quer que exista uma possibilidade não expressa, ou uma função não executada, lá está o desejo insatisfeito. O desejo é a possibilidade a procurar a sua própria expressão, ou a função procurar o seu desempenho. O homem não pode viver inteiramente no corpo sem alimento bom, roupa confortável, e abrigo morno; e sem liberdade da labuta excessiva. O descanso e a recreação são também necessários a sua vida física.

Não pode viver inteiramente na mente sem livros e hora para estudá-los, sem oportunidade para um curso e para a observação, ou sem companheirismo intelectual. Para viver inteiramente na mente, o homem ou a mulher, deve ter recreações intelectuais, e deve cercar-se com todos os objectos de arte e da beleza que é capaz de usar e de apreciar.

Para viver inteiramente na alma, o homem deve ter amor; e a expressão do amor é negada pela pobreza.

A felicidade mais elevada da pessoa humana é encontrada na doação dos benefícios para aqueles que ama; o amor encontra sua expressão mais natural e mais espontânea em dar. A pessoa que não tem nada para dar não pode preencher o seu lugar como um marido ou esposa, ou como um pai ou mãe, como um cidadão, ou como pessoa. É no uso de coisas materiais que o homem encontra a vida cheia para seu corpo, desenvolve sua mente, e preenche a sua alma. É consequentemente da importância suprema que o homem deva ser rico.

É perfeitamente correcto desejar ser rico; se você for um homem ou uma mulher normal você não pode deixar de querer ser assim. É perfeitamente correcto e louvável. Você deve dar sua maior e melhor atenção à ciência de se tornar uma pessoa rica, porque é o mais nobre e mais necessário de todos os estudos. Se você negligenciar este estudo, você abandona o seu dever para consigo mesmo, em relação a deus e mesmo em relação à humanidade. Na verdade você não pode render nem a Deus nem à Humanidade nenhum serviço maior do que fazer o melhor de si mesmo.