A Coroa

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Coroa
por Almeida Garrett
Poema publicado em Folhas Caídas


Bem sei que é toda de flores
Essa coroa d'amores
Que na frente vais cingir.
Mas é coroa - é reinado;
E a posto mais arriscado
Não se pode hoje subir.

Nesses reinos populosos
Os vassalos revoltosos
Tarde ou cedo dão a lei.
Quem há-de conter, domá-los,
Se são tantos os vassalos
E um só o pobre do rei?

Não vejo, rainha bela,
Para fugir essa estrela
Que os reis persegue sem dó,
Mais que um meio - falo sério:
É pôr limites ao império
E ter um vassalo só.