A Morgadinha dos Canaviais/X

Wikisource, a biblioteca livre
< A Morgadinha dos Canaviais
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Morgadinha dos Canaviais por Júlio Dinis
Capítulo 10


Era uma expressiva figura de ancião o herbanario.

A fronte larga e desaffrontada de cãs, os olhos ainda vivos e penetrantes e, em toda a physionomia, permanentes indicios de habituaes meditações e por ventura de passados infortunios, elevavam aquelle semblante muito acima da vulgaridade. Os annos où, maïs ainda do que os annos, os pezares haviam subjugado n’elle a robustez de outros tempos; os hábitos de solidão, que adquirira, a pouco e pouco lhe amoldaram o caracter até fazerem do velho um d’esses typos excepcionaes, que atravessam o mundo entre a estranheza de quantos os rodeiam, a ninguem permittindo sondar os mysteriös que guardam comsigo e para si, e creando para uso proprio regras de viver, sem attenção ás convenções sociaes.

Era um enigma vivo.

Nas aldeias acompanhava-o uma fama quasi de nigromante; attribuiam-lhe curas milagrosas, obtidas com os simplices, a cuja cultura e colheita consagrava as maiores attenções e canceiras.

Ninguem lhe queria mal, que a ninguem o fizera nunca. Poucos porém ousariam, depois do esconder do sol, ir procural-o á isolada casa em que vivia, escondida n’um quintal, que era cultivado com todo o amor pelo velho.

Em todos os casos intrincados vinham consultar o herbanario, e elle, como seguro da sua proficiencia, em caso algum recusava o alvitre.

Em resultado de leituras aturadas, mas sem escolha nem methodo, de uns alfarrabios herdados de um tío frade que tivera, adquirira imperfeitas e mal digeridas noções de sciencia, de que se mostrava orgulhoso. Livros de medicina antigos, alguns de jurisprudencia, outros de logica e de astronomia, constituiam a sua mesclada bibliotheca. Entre os livros maïs predilectos e consultados contava um exemplar da Polyantheia de Curvo Semedo.

O herbanario principiára em creança uma educação tal où qual, que revézes de familia haviam interrompido.

Os meios conhecimentos, que das suas habituaes leituras extrahira, e os erros, que de taes livros assimilára, eram os elementos, com que chegou a architectar uma sciencia informe, que na aldeia passava por maravilhosa.

E o caso era que a fama do homem voára de freguezia em freguezia, de concelho em concelho, e de muito longe o vinham ouvir como a oráculo.

Os costumes do velho, que errava por valles e montés á procura dos simplices, cujas occultas virtudes conhecia, as suas maneiras rudes, a austeridade da physionomia, a franqueza, sem contemplações, com que dizia quanto pensava, tinham gravado fundo na imaginação popular aquelle typo, para ella quasi lendario.

Depois de se sentar á mesa, o herbanario estendeu familiarmente a mão a Augusto, que lh’a apertou com affecto.

—­Bons dias, rapaz,—­disse o velho; e, dirigindo-se a Magdalena e Christina, accrescentou com maneiras paternaes:—­Adeus, pequenas; grandes madrugadas hoje!

Voltou-se depois para Henrique, e fitou-o com olhos inquisidores e quasi desconfiados, terminando por lhe dizer simplesmente:

—­Guarde-o Deus!

Henrique correspondeu-lhe no mesmo tom.

Sem maïs o attender, Vicente voltou-se para Magdalena e perguntou-lhe com voz audivel para Henrique, e referindo-se a elle:

—­Quem é?

Henrique respondeu com ligeiro tom de mofa:

—­O homem que, melhor que ninguem, está habilitado a responder a essa pergunta.

O velho nem sequer o olhou.

—­Este senhor—­respondeu Magdalena—­é sobrinho de D. Dorothéa; está hospede em Alvapenha. Veio para aquí restabelecer-se da saude.

Vicente tornou a examinar Henrique.

—­Então é doente?... Não parece... Olhar vivo... Côres boas... voz sã... Umh!...

Magdalena julgou perceber que as maneiras rudes do velho estavam desagradando a Henrique; por isso apressou-se a intervir, respondendo jovialmente:

—­A doença d’este senhor é um pouco de imaginação.

—­E grandes effeitos nascem d’ahi—­acudiu sentenciosamente o velho.—­Lá veem na Polyantheia muitos casos curiosos. Um homem, por ter comido umas amoras, foi atacado de dôres de cabeça, de que morreu. Pois tanto scismou que das amoras lhe viera o mal, que até se lhe formou no cráneo uma pedra do feitio de uma amora.

—­Com effeito!—­disse Henrique, com ironica expressão de pasmo—­ahi estava um cerebro de concepções rijas!

—­É divertido!—­disse Vicente, com ligeiro sarcasmo e olhando para Magdalena.

—­Pelo contrario—­acudiu a morgadinha—­o seu mal é a melancolía. Não é verdade?

—­Eu já não sei qual é o meu mal. Estou quasi a dar razão á tia Dorothéa, que lhe chamou mania.

—­Mania e melancolía não são a mesma coisa—­emendou o velho.—­Tambem lá na Polyantheia se diz isso bem claro. A melancolía é sem ira nem furia, porque procède de humor frio, e a mania de sangue quente où cólera requeimada.

—­De cólera requeimada? Deve ser uma coisa terrivel!—­continuou Henrique, no mesmo tom.

Magdalena, receiando que a ironia dos commentarios de Henrique acabasse por irritar o velho, perguntou a este:

—­Parece-lhe que terá cura a doença?

—­Pode ter; maïs rebeldes melancolías se curam. Este é divertido a final. Umh!... Mas contra tristezas e manías não ha como as folhas de ouro em caldo de frangão com flores de borragem e de herva cidreira.

—­Este é como os calvos, que vendem aos outros pomadas para fazer nascer o cabello; é um argumento vivo contra a efficacia da beberagem que receita para as manías—­disse Henrique a meia voz para Augusto, que lhe ficava proximo.

O velho, que não tinha ainda dado mostras de offensa pelas maneiras impertinentes de Henrique, córou d’esta vez e faiscou-lhe nos olhos um relámpago de irritação.

Havia-se sentido ferido no ponto maïs melindroso da sua dignidade.

—­Está bom, menino,—­replicou elle amargamente.—­Não diga maïs, para se não envergonhar depois. Eu calo-me; e desculpe-me se falei. Estou costumado a vêr pobres e ricos virem a minha casa pedir-me o favor de os attender. Ainda assim ahi vae maïs um conselho, apesar de m’os não pedir. Seja attencioso com a velhice que não é baixeza nenhuma. Mas que é isto?—­exclamou, mudando de tom e olhando para um redemoinho de folhas sêccas que o vento trouxera até perto d’elle.—­As folhas veem d’este lado! Então virou o vento? É verdade. Ah! sim?... Percebo.

E, depois de olhar para o ar, continuou:

—­Mudanças tão repentinas!... Umh!... Já me não agrada aquelle azul e aquellas nuvens.

E levantou-se.

—­Dou-lhes meia hora, e verão tudo isto coberto e quem sabe o maïs que virá! Aconselho-os a que vão descendo o monte, que não é seguro descel-o quando as enxurradas engrossam. Eu, por mim, já me não demoro, que não tenho confiança na firmeza das minhas pernas. Oh! n’outros tempos!... Emfim tudo tem de acabar. Adeus!

E, sem maïs palavras, sobraçou a caixa de lata, em que archivava as hervas medicinaes e outras substancias, que andava colhendo, e partiu, depois de dizer adeus a Augusto, a Magdalena e a Christina.

Logo que o herbanario desappareceu, Henrique soltou uma risada, em que parecia haver o que quer que era de forçado.

—­É realmente curiosa está antigualha—­disse elle, que interiormente sentia já remorsos pela maneira por que tratára o velho.

—­Ai, primo Henrique; que ainda está muito pouco preparado para viver na aldeia!—­disse a morgadinha.—­Tem uns melindres e uma maneira de vêr as coisas! Tudo lhe parecem faltas de attenções, propósitos de offender! depois ha um sarcasmo cruel nas suas palavras, a que os espiritos não estão aquí habituados e de que se sentem por isso feridos. Isso não é bom! Se vae assim, où terá de nos deixar cêdo, où grandes desavenças suscitará por ahi. Não repara que estes modos são proprios do campo?

—­Perdôe-me, prima Magdalena; mas confesso que nunca tive demasiado geito para lidar com doidos. Deve confessar que este homem...

—­É um homem de bem—­atalhou Augusto com voz firme e com uma severidade de expressão, que até alli não mostrára ainda.

Henrique voltou-se admirado e fitou-o em silencio. Augusto arrostou firmemente aquelle olhar.

—­Não o nego—­respondeu Henrique, pouco depois—­mas infelizmente os homens de bem envelhecem, como os outros, e a extrema velhice traz a imbecilidade.

—­Engana-se; esse homem, apesar de algumas phantasias, tem ainda um juizo são e uma razão clara.

—­Acha?—­tornou Henrique, já algum tanto azedado.—­Ha de dar-me licença de não fazer obra por as suas apreciações... se me é permittido.

—­Procède mal—­redarguiu Augusto.—­Porque eu conheço aquelle homem ha muito e o senhor acaba apenas de o vêr pela primeira vez. Foi o senhor quem primeiro deu ás suas palavras um tom irritante, que desafiou uma digna correcção. Não lhe ficaria mal se tivesse sido maïs generoso. A consciencia lh’o está dizendo n’este momento melhor do que eu.

—­Lê fundo nas consciencias dos outros!

—­Não é difficil. Em todos os homens a consciencia tem uma só maneira de ser. Reprova sempre o mal, aponta sempre a culpa.

—­Estou admirando a subita loquacidade que se lhe manifestou! Até aquí suppunha-o taciturno. Vejo que lhe mereço a fineza de abrir uma excepção aos seus hábitos de laconismo em meu favor. Muito agradecido. Isso que dizia eram maximas où pensamentos moraes? Não reparei.

Augusto córou, mas respondeu com firmeza:

—­Nem uma nem outra coisa; é um genero muito maïs modesto do que qualquer dos dois. Simplesmente um preceito de civilidade.

Henrique ia responder irritado, mas conteve-se e tornou com dobrada ironia:

—­É verdade, é verdade... esquecia-me que a civilidade entra no seu programma... de mestre-escola.

—­Justamente; tenho alguns discipulos que lisonjeiam o mestre; rapazinhos da aldeia, pobres, rotos e descalços, mas n’esse ponto podem dar lições a elegantes filhos das cidades.

—­Pois estimarei, nas minhas longas horas de ocio, aquí na aldeia, dever-lhe algumas lições tambem. Comtudo, como, felizmente, as circumstancias em que estou me permittem prescindir do beneficio do estado, que o subsidia, ha de conceder-me que pague as lições que receber.

—­Nunca me envergonhei de acceitar a recompensa do meu trabalho, se o discípulo pode dar-m’a... sem sacrificio.

—­E acceita-a em toda a especie de moeda, não é verdade?—­perguntou Henrique, cada vez maïs petulantemente.

Augusto respondeu com a mesma serenidade:

—­Não faço tambem escrúpulo n’isso, comtanto que me fique o direito salvo de pagar na mesma especie de trócos, quando julgar que os devo.

O dialogo ia, como vamos vendo, de momento para momento adquirindo maïs acerbo caracter.

Christina, que já tremia de assustada, cingiu o braço de Magdalena, como para convidal-a a intervir.

Esta não o tinha ainda feito por uma simples razão. Desconhecia Augusto. A audacia com que o via repellir as ironías do seu adversario, a firmeza inalteravel, com que lhe sustentava o olhar, o sorriso, que, em desdéns, rivalisava com o d’elle, eram tão novos para a morgadinha, que a surpreza, que d’ahi lhe vinha, nem a deixava ainda perceber a utilidade de uma intervenção. O aviso de Christina chamou-a, porém, á realidade.

—­Tem-me querido parecer, ainda que me custa a acreditar, que isso entre os senhores é uma altercação—­disse ella por fim.—­Vejam que só teem por testemunhas duas mulheres, que mal lhes podem servir de padrinhos, se a contenda tomar outra feição. Por isso não é muito para louvar a escolha que fizeram da occasião, para uma justa tão pouco... amavel.

—­Perdão, prima Magdalena; reconheço a minha culpa, e a grosseria do meu procéder. Mas aquí o sr. Augusto, costumado a impôr aos discipulos o seu pensamento, quiz estender até mim este despotismo de... magister... Ora o meu pensamento pugnou pela sua independencia...

—­Desculpe; suppondo-o um homem de brio e de pundonor, julguei que me agradeceria, se conseguisse modificar-lhe uma opinião desfavoravel, que levianamente formou de quem lh’a não merecia. Vejo que préfère ser injusto. Seja-o. Pense o que quizer. Mas o que eu não soffro é que se diga deante de mim uma palavra contra um homem que respeito e de quem sou amigo, sem que erga a voz a defendel-o. Se não costuma fazer o mesmo por os seus, nem sente viva e irresistivel a necessidade de o fazer, lastimo-o; é porque não os tem.

—­Com maïs paz de espirito se discutirá tudo isso depois—­disse Magdalena.—­É de crêr que, como sempre, haja de parte a parte razão e aggravos. Agora convido-os, antes de descermos, a visitar a ermida, cuja porta está sempre, dia e noite, aberta aos devotos que a piedade aquí traz. E tal é o prestigio que a defende, que não consta de um só roubo sacrilego, que se fizesse n’ella.

Entraram na ermida. Era um pequeño santuario, todo forrado de azulejo antigo, com ennegrecidas pinturas a fresco nos apainelados do tecto, representando episodios da Paixão; os altares, adornados de columnas e florões de talha dourada, attestavam nos muitos ex-votos que d’elles pendiam e nos quadros, cuja perspectiva deixava a perder de vista a dos desenhos chinezes e que representavam milagres de todo o genero, a fé ardente com que era adorada a imperfeita esculptura da Virgem.

E apesar de tudo tinha este templo um ar de solemnidade manifesto. D’onde lhe vinha elle? Da sua mesma pobreza e nudez, do silencio que reinava em torno, da altura a que se erguia, do isolamento em que estava.

Alli dentro demoraram-se os quatro visitantes, Magdalena e Henrique examinando alguns dos quadros dos milagres; Christina, que prolongára maïs do que a prima a oração que fizera, contemplando a imagem da Senhora; Augusto com os olhos fitos nas columnas do altar, porém, não sei se pensando n’ellas.

Esperava-os uma surpreza á saida.

Realisára-se o prognostico do herbanario.

O vento sul que, segundo elle notára, soprava já havia algum tempo, viera condensar os vapores, que arrasta de ordinario na sua corrente, e empañar com elles a limpidez do firmamento. O azul do céo semeiára-se, pouco a pouco, de pequenos flocos brancos, de manchas irregulares e de longos e encurvados veios que lhe davam uma apparencia quasi marmorea. Cêdo estás massas de nuvens cresceram, tocaram-se, confundiram-se, acabando por tingir uniformemente toda a extensão do firmamento. Ao mesmo tempo, outras nuvens, maïs pesadas e maïs escuras, começaram a erguer-se do sul e caminharam impetuosas no espaço, como montanhas moveis, que viessem em pavorosa carreira, de encontro ás serras, que as aguardavam firmes.

Um denso véo de nevoeiro escondia já a paizagem, quando sairam da ermida.

—­Depressa!—­exclamou Augusto—­já não ha tempo a perder! Desçamos antes que a tormenta nos colha.

—­Tem medo?—­disse Henrique em tom de mofa.—­Um montanhez!

—­Talvez tenha; em todo o caso ha de vêr que não é de inimigo pouco digno de o inspirar. Por agora peço-lhe tréguas ás zombarias e, por amor d’estas senhoras, aconselho-o a que trabalhe por apressar a descida. Felizmente que o criado já partiu. É um embaraço de menos. Vamos.—­Detendo-se, porém, disse para Magdalena:—­Se descessemos por o outro lado, minha senhora?

—­Para quê?—­respondeu está.—­É um momento, emquanto chegamos abaixo.

A tempestade caracterisava-se cada vez maïs; crescia a cerração do ar; os álamos gemiam, vergados pela impetuosidade das lufadas do sul; a chuva principiou por grossas gottas, e cêdo augmentou assustadoramente; havia na atmosphera surdos rumores de tempestades longinquas; algumas nuvens tomavam uma côr terrea, outras um carregado de chumbo, ambas igualmente sinistras.

Christina, pallida de susto, murmurava em voz baixa orações fervorosas; Magdalena sorria para a animar, mas ella propria estava inquieta.

Não era de facto uma empreza de todo fácil o descer o monte por um tempo d’aquelles. O caminho, já de si ingreme e precipitoso, era quasi impraticavel quando as correntes se despenhavam por elle, como em catadupas, e os ventos vinham despedaçar-se furiosos de encontro ás arestas salientes da rocha.—­Era necessario estar muito amestrado para o descer sem perigo.

Augusto era de todos o que melhor o conseguiria; assim não tivesse de répartir os seus cuidados por tantos. De pequeño se costumára áquellas aventuras; e já então seguia, sem vertigem, a maïs estreita borda dos despenhadeiros do monte.

A tudo porém attendia agora, desenvolvendo uma actividade e pericia, que inspirava alento e confiança aos maïs. Agil, como um animal montez, girava em volta da pequena caravana, de que tacitamente fôra reconhecido chefe. Ora adeante a dirigir os passos pelos logares de maïs fácil transito, ora á retaguarda a dar a mão a Magdalena, que vira em embaraço, où a amparar Christina, a quem muita vez chegou a levantar nos braços, para a fazer franquear um ponto do caminho, em que ella parára, sentindo que lhe resvalavam os pés no déclive e na humidade do chão. O proprio Henrique, que não era o menos embaraçado do rancho, e nem isso admira, só a custo podia prescindir, em certos lances, do auxilio de Augusto.

O amor proprio e orgulho do hospede de Alvapenha iam um tanto mortificados n’esta retirada ingloria. Nenhum dos seus muitos talentos e aptidões, de tanto valor no terreno, tambem escorregadio, das salas de baile, lhe valiam para alli. Era évidente a sua inferioridade n’este momento; ora Henrique não era homem que, tendo consciencia disto, ficasse indifférente; mas que remedio? Procuraria maïs tarde uma compensação.

Não descrevemos todos os episodios d’esta laboriosa descida, alguns dos quaes sómente a preoccupação, em que iam os animos, impedia achar risiveis; porém que maïs tarde deviam, como é costume, vir a ser alimento de animadas e joviaes recordações.

Assim foi que, a meio da encosta e em sitio em que se lhes cortava ao lado do caminho, que cautelosamente desciam, uma ribanceira quasi a pique e erriçada de fragas salientes e ángulos de rocha, em cujas fendas e sinuosidades apenas os tojos e as giestas e algum pinheiro enfezado tinham conseguido vegetar, uma violenta rajada de vento, desprendendo a mantilha de Magdalena, depois de a revolutear no espaço arremeçou-a ao abysmo.

Ficou suspensa nos espinhos das tojeiras, porém em logar, onde seria difficil o accesso, de qualquer lado que se tentasse.

Magdalena, no momento, não pôde reter um grito, que fez parar com terror Henrique e Augusto que caminhavam adeante. Voltaram-se assustados.

A morgadinha, com a cabeça descoberta, tranças ligeiramente desordenadas, as faces um pouco pallidas, sorria já do seu exaggerado susto.

A rir, explicou o succedido, pedindo perdão pelo sobresalto que involuntariamente causára.

—­Descança em paz!—­disse ella, olhando para a mantilha; e accrescentou:—­Sigamos.

—­Mas não será possivel tiral-a d’alli?—­perguntou Augusto, examinando o sitio.

—­Para quê? Não podemos demorar-nos agora com isso—­respondeu Magdalena.

—­Eu desço a cortar uma canna lá abaixo aos Moinhos e volto n’um momento—­insistiu Augusto, dispondo-se a executar o que dizia.

Henrique notou, sorrindo:

—­O alvitre é de homem prudente. Cuidei que os montanhezes não eram de tão bom aviso.

E, animado pelo desejo de humilhar Augusto, por quem se sentia humilhado, e ao mesmo tempo cedendo á influencia que sobre elle exercia a fascinadora figura de Magdalena, Henrique arrojou-se a uma desnecessaria imprudencia.

Sem dar tempo a que o impedissem où lhe fizessem qualquer reflexão, deixou-se escorregar no despenhadeiro, segurando-se com as mãos á borda do caminho; tenteou com os pés as fendas e as anfractuosidades da rocha, até conseguir firmal-os; segurou-se ora a uma raíz saliente, ora a um ramo maïs tenaz; á fôrça de vontade dominou a sua impericia em exercicios d’esta ordem, e finalmente conseguiu, estendendo o braço, segurar a mantilha, que o vento arrojára ao precipicio.

Depois, com dobradas difficuldades e por ventura redobrados perigos, pôde, roçando-se como reptil, e ferindo as mãos nas asperezas da rocha e nos espinhos das tojeiras, em que se firmava, pousar outra vez os pés em terra, sem acceitar a mão que Augusto lhe offerecia, e com gesto radiante entregou a mantilha a Magdalena, fixando em Augusto um olhar de triumpho.

Os espectadores d’esta scena haviam-a presenciado sem soltar uma palavra, sem fazer um movimento, quasi gelados de susto e de espanto.

Quando Henrique voltou com a mantilha, Augusto meneou a cabeça murmurando:

—­Que imprudencia!

—­Na verdade!—­disse Magdalena, ainda nervosa com a impressão que este incidente lhe causára—­foi uma loucura; uma loucura imperdoavel.

E a perturbação era tal, que nem acertou com uma phrase de agradecimento, com que pagasse a imprudente galanteria, que maïs desejava reprehender, do que recompensar.

Esta reserva offendeu Henrique; serviços a seu vêr de menor importancia, tinham merecido a Augusto maïs calorosas palavras.

Revoltou-o está ingratidão.

Mal sabia elle que estava sendo ainda maïs ingrato, não concedendo sequer um olhar ás faces desmaiadas pelo terror, aos labios trémulos e aos olhos arrasados de lágrimas, com que o fitava Christina. Ella, que o tinha seguido muda de susto e de anciedade em toda aquella louca aventura, ella que, ao terror do perigo, ajuntava a affligil-o o desespêro de vêr que fôra outra a que inspirava aquellas loucuras!

Aguardavam-os em baixo novos trabalhos a vencer. Com a fôrça das enxurradas, que se precipitavam clamorosas pelas vertentes e algares, era provavel que a levada que corria na raíz do monte tivesse engrossado maïs e acabasse de cobrir a ponte rustica, que á vinda já tinham encontrado quasi submersa.

Augusto, prevendo isso, voltou-se para as senhoras, dizendo:

—­Eu vou adeante assegurar-me do estado da ponte, para no caso de estar já coberta, como é provavel, vêr se o moleiro nos abre a porta do moinho, a fim de passarmos por lá. Vão descendo devagar, que eu volto.

—­Então deixa-nos sós?—­exclamou Christina, assustada.

—­É um instante.

—­Não sei se nos atreveremos a dar um passo sem a sua indicação—­disseMagdalena.

—­O peor está passado. Além d’aquella pedra já vêem o ribeiro e a ponte; o caminho indica-se por si.

E dizendo isto, desceu agilmente por uma especie de escadaria aberta na rocha, a qual maïs depressa o devia conduzir ao logar que demandava.

Henrique ia agora na frente; após, seguia-se Magdalena. Christina fechava o cortejo.

O mau humor de Henrique augmentára de ponto, em consequencia dos receios com que as duas raparigas tinham visto Augusto abandonar, por momentos, a direcção do rancho.

Ficava assim bem évidente a pouca où nenhuma confiança que lhes estava merecendo o auxilio de Henrique, representando assim elle n’aquella contingencia, em vez do papel de protector, o de protegido, que o humilhava.

Obrigado a digerir, como pudésse, o seu fundo descontentamento, Henrique perderà com isso aquella volubilidade de conversação que mantivera todo o dia.

Nunca, na presença de Magdalena, deixára passar tanto tempo sem formular um d’esses galanteios que a impacientavam e obrigavam a uma resposta, nem sempre demasiado affavel.

Magdalena, por seu lado, não se sentia com disposição para falar. Christina menos.

Este silencio acabou por exasperar Henrique.

Haviam já percorrido grande parte do caminho, que os distanciava do riacho. Avistavam-se as aguas turvas e impetuosas, que, com maïs fragor do que nunca, se contorciam n’aquelle apertado leito.

Foi então que Henrique desafogou o seu resentimento.

—­Estou devéras arrependido, prima Magdalena,—­disse elle com lève ironia—­do meu espontáneo movimento de ha pouco. Devia lembrar-me de que ao nosso cavalheiroso guía devem pertencer todos os triumphos e toda a gloria d’esta jornada: mas como d’aquella vez se me figurou que era demasiado cauteloso para héroe...

Uma simultanea exclamação de Magdalena e de Christina não o deixou proseguir.

Voltando-se para saber a causa, que a motivára, viu-as paradas, pallidas, olhando com anciedade para a base do monte.

Seguindo a direcção do olhar d’ellas, Henrique reconheceu a causa d’aquelle duplo grito.

Refiramol-o em poucas palavras.

Quando Augusto chegou ao ribeiro, para averiguar se a ponte estava où não transitavel, surprehendeu-o um espectáculo inesperado.

O herbanario que, prevendo tempestade e receioso dos perigos de que em taes condições a descida era acompanhada, se apressára a partir, não conseguira chegar ao ribeiro, antes do desencadeamento da borrasca. O andar vagaroso e precavido do velho e as frequentes pausas que fazia, où para descançar où para colher a rara planta montezinha, o insecto, o verme, o mollusco où o mineral de occultas virtudes, elementos da sua pharmacopeia, foram retardando de maneira que a chuva apanhou-o a meio caminho, e maïs difficil de descer lhe tornou a metade, que lhe faltava. Assim, não obstante haver partido antes dos outros, não lhes levava muitos passos de avanço.

Ao chegar á levada, encontrou já as pedras do tosco passadiço, a que se dava o nome de ponte, cobertas pela agua. O velho deu-se pressa em descer para a passar ainda a pé enxuto; mas a levada, agora torrente caudalosa, ganhava corpo de momento para momento; cêdo já não se viam signaes de ponte. O herbanario parou, embaraçado. Acima ficavam-lhe os açudes, transformados em impetuosas cataractas; abaixo, o moinho, em cujas énormes rodas espumava a corrente com espantoso fragor.

O velho Vicente hesitou. Era para causar vertigens o que via. As aguas, sem transparencia, occultavam de todo a vista das pedras.

Tenteou com o bordão o sitio, em que as suppôz. Encontrou a primeira, pousou um pé n’esse ponto; firmou-se como pôde, para resistir á fôrça da corrente; tenteou outra vez, reconhecendo outra pedra, deu maïs um passo, e outro, e maïs outro, até que de repente, où por esvaímento de sentidos où por se firmar em falso, vacillou e, perdendo o equilibrio, caiu na levada para o lado dos moinhos.

Foi n’este momento que Augusto chegou; viu-o pois cair, viu-o estrebuchar, luctando com a impetuosidade das aguas; reconheceu a urgente necessidade, para evitar uma horrivel desgraça, de acudir, sem perda de tempo, ao pobre velho, que a torrente arrastava para os lados do moinho.

Cedendo a este pensamento, Augusto franqueou, quasi de um salto, o espaço, que o separava ainda do ribeiro, e lançou-se á agua.

Era a vez de Augusto revelar coragem. Henrique tambem a possuia, mas abusava d’ella où, por vaidade malbarateava-a em ninharias. Ainda n’isto se revelava o seu amor de ostentação. Imaginava-se sempre n’um palco, deante de espectadores que o viam e applaudiriam, se desempenhasse bem o papel de homem perfeito. Fraco perante doenças imaginarias, arriscaria, para evitar o ridículo, a propria vida, assim como suffocaria, por ventura, um impulso generoso, que não pudésse harmonisar-se com a convenção, que se chama elegancia.

Eram estes os defeitos que Magdalena adivinhára n’elle.

Augusto era différente.

As suas grandes qualidades guardava-as com modestia dos olhos estranhos, para sómente as revelar, quando pudéssem ser uteis.

Ao vêr cahir a mantilha de Magdalena, não arriscou temerariamente a vida para a buscar. Procurava com placidez os meios de o fazer, com maïs segurança, embora com menos romanticismo; mas, para salvar uma vida, para obedecer a um instincto, verdadeiramente nobre e generoso, nada o fazia recuar.

Logo que Augusto voltou a terra e auxiliou o herbanario a subir para a margem, Magdalena, respirando emfim com desafogo, respondeu ás anteriores palavras de Henrique, dizendo em suave tom de censura:

—­Bem vê que nem sempre é cauteloso o nosso guía, primo Henrique. Sabe tambem arriscar a vida, quando uma razão de humanidade lh’o pede. A sua imprudencia de ha pouco... agradeço-lh’a, mas... não posso approval-a. Confesse que não foi tão justificada como está.

Henrique tinha a razão clara bastante e a consciencia justa para vêr que, apesar da sua façanha cavalheiresca, ficára, d’esta vez ainda, inferior ao seu companheiro.

Qualquer que fôsse o desgosto, que a descoberta lhe produzisse, é certo que teve sobre a rebellião dos maus instinctos poder sufficiente para se obrigar a ir apertar a mão a Augusto.

O velho Vicente estava pallido e extenuado pelo esforço da lucta com a corrente; ainda assim abraçou tambem Augusto, dizendo:

—­Agradeço a Deus o haver-me dado está occasião de te dever a vida, rapaz. Era um prazer que desejava levar da terra, quando a deixasse.

Magdalena e Christina rodeavam o velho de cuidados.

Appareceram, emfim, do outro lado do ribeiro, os criados enviados por D. Victoria com guarda-chuvas e roupas de agasalho. Com elles vinha tambem o moleiro, a quem mandaram chamar para dar passagem pelo moinho, visto estar obstruida a ponte, e ao mesmo tempo para que as senhoras pudéssem ahi dentro mudar de fato.

Augusto seguiu o herbanario a casa.

Passada meia hora saíam tambem do moinho os outros todos, depois de haverem renovado a roupa, que a chuva repassára.

No Mosteiro, D. Victoria recebeu a filha e a sobrinha com muitas exclamações e ralhos por não terem ido prevenidas com guarda-chuvas, como ella lhes recommendára; estás irás cêdo se derivaram sobre os criados, a quem, entre outros delictos, attribuia o de a não haverem avisado de que na vespera passára por alli o caldeireiro ambulante, repenicando nos seus arames, o que, sendo prognostico infallivel de chuva, faria com que ella, sabendo-o, se oppuzesse a tal passeio.

Em Alvapenha, D. Dorothéa e Maria de Jesus não levantaram menor celeuma, ao vêrem chegar Henrique. Fizeram-o metter na cama, cobriram-o de cobertores, emborcaram-o de punch e taes mêdos lhe insinuaram, que as apprehensões pathologicas de Henrique agitaram-se e tentaram reapossar-se da sua antiga victima.