Amigo Bento Pereira

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ao capitão Bento Pereyra homem simples e com presunções de bom.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsEspada e Espadilha

Amigo Bento Pereira,
que em todo o nosso Brasil
sois homens de muitas prendas,
tendo tão pouco quatrim.
Assim agradara eu
a quatro vilões ruins,
a quem nesta terra enfado,
como me agradais a mim.
Vós sois um homem honrado
de generosa raiz,
nobre com ventosidade,
honrado com retentiz.
Sois galã com artifício,
asseado com ardil,
só vós sois homem honrado,
os demais homens gentis.
Todo o mundo vos quer bem,
porque tendes, e é assim,
cara de ter mil amigos:
mil amigos? mais de mil.
Sois muito leal com todos,
cousa, que não se usa aqui,
por isso sois mal servido,
de quantos sabem servir.
Empeceu-vos a fortuna,
que a fortuna é vilão ruim,
para os seus sempre a chegar-se,
e de vós sempre a fugir.
Agradais-me dentro dalma,
que como eu também saí,
e os semelhantes se amam,
por semelhante vos quis.
Tende-me em conta de amigo,
e tereis sempre de mim
excessos de par em par
finezas de mil em mil.