Artigo de Euclides da Cunha de 8 de setembro de 1897

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diário de uma expedição
por Euclides da Cunha
Publicado no Estado de São Paulo em 27 de setembro de 1897.


MONTE SANTO, 8 DE SETEMBRO — Quem sobe a longa via-sacra de três quilômetros de comprimento, ladeada de capelas desde a base até ao cimo do Monte Santo, compreende bem a tencidade incoercível do sertanejo fanatisado. É dificilmente concebivel o esforço despendido para o levantamento dessa maravilha dos sertões.

Amparada aos dois lados por muros de alvenaria, capeados, de um metro de altura por um de largura, calçada em certos trechos, tendo noutros como leito a rocha viva, essa estrada notável, onde têm resoado as ladainhas das grandes procissões da quaresma e passado legiões incalculáveís de penitentes — é um milagre de engenharia rude e audaciosa. Percorri-a toda, hoje.

Começa investindo francamente contra a montanha, seguindo a normal de máximo declive, com uma rampa de cerca de 20 gráus; na quinta capela inflete à esquerda e progride com uma inclinação menor, volta depois, mais adiante, bruscamente para a direita, numa diminuição continua de declive até ao seio mais baixo, espécie de ligeira garganta do espigão. Segue por este horizontalmente por cerca de duzentos metros até aprumar-se de novo — investindo afinal contra a última subida íngreme e dilatada até a Santa Cruz, no alto.

Uma coisa assombrosa. Tem três mil metros aproximadamente e, em certos segmentos, foi rasgada através da rocha duríssima e espera — porque toda a serra de Monte santo é constituida de um quartzito que irrompe através das formações graníticas, visíveis nos terrenos planos que a circundam. A serra tem uma feição altamente pitoresca, aprumada sobre a povoação — escalvada em muitos pontos, revestida noutros de uma vegetação enfesada.

Com o extraordinário luar destas últimas noites o seu aspecto é verdadeiramente fantástico; destacam-se nitidamente as capelinhas brancas e à luz reflexa o dúbia da lua as vertentes, que se interrompem em paredões a prumo em virtude da própria estratificação da rocha, dão a idéa de muralhas imensas, sine calcis linimenti, recordando velhas trincheiras abandonadas de titans.

Do alto descortina-se um horizonte de vinte léguas; toda a região como uma costa em relevo estende-se ante o olhar do observador, patenteando perspectivas belíssimas. Aproveitando convenientemente aquela altura aliada a mais dois ou três dos acidentes de terreno que apontam ao norte, poder-se-ia, de há muito, ter estabelecido um telégrafo ótico, de transmissão pronta, por meio de um jogo combinado de côres, com Canudos.

Infelizmente esta medida não foi tomada.