Em Tradução:Bíblia Aberta/Mateus/Capítulo 3

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Evangelho segundo Mateus


Esta página também faz parte do Projeto Bíblia Aberta.

João Batista[editar]

1Naquele tempo João Batista foi ao deserto[1] da Judéia e começou a pregar dizendo:

2- Mudem de vida![2] pois o Reino dos Céus[3] está próximo!

3Ele foi mencionado por meio do profeta Isaias que disse:

"Uma voz está gritando no deserto: Preparem o caminho para o Senhor! Endireitem os seus caminhos!"[4]

4João usava uma roupa feita de pêlos de camelo e um cinto de couro, seu alimento eram os gafanhotos e mel do campo. 5Os moradores de Jerusalém, da região a Judéia e de toda parte do Rio Jordão iam ouví-lo. 6João os batizava no rio Jordão, confessando eles seus pecados.

7Quando João viu que muitos fariseus e saduceus vinham para serem batizados por ele, então disse:

- Filhos de cobras venenosas! Quem disse que vocês podem escapar assim da terrível ira que está por vir? 8Produzam frutos dignos desta mudança 9e não digam uns aos outros: " Abraão é nosso pai". Pois eu afirmo a vocês que até destas pedras Deus pode fazer filhos de Abraão![5] 10O machado já está levantado para cortar as árvores pela raiz.[6] Toda árvore que não dá bons frutos será cortada e jogada no fogo.

11Eu batizo com água para mostrar a transformação, mas aquele que vem depois de mim os batizará com o Espírito Santo e com fogo.[7] Ele é mais importante do que eu e não mereço sequer a honra de carregar suas sandálias.[8] 12Com a pá[9] que tem na mão ele vai separar o trigo da palha[10], guardará o trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo que não se apaga.

O batismo de Jesus[editar]

13Naqueles dias Jesus foi da Galiléia até o rio Jordão a fim de ser batizado por João Batista. 14Ele tentou convencê-lo a mudar de idéia, dizendo assim:

- Eu é que preciso ser batizado por você, e você veio até mim?[11]

15Mas Jesus respondeu:

- Deixe assim agora, pois assim vai se cumprir toda a justiça[12].

E João concordou.

16Logo que foi batizado, Jesus saiu da água. O céu se abriu, e viu-se o Espírito de Deus descer como uma pomba

[13] e pairava sobre ele. 17E do céu veio uma voz, que disse:

- Este é meu Filho querido, que me enche de alegria![14]

Notas[editar]

  1. Talvez deserto não seja a melhor tradução. Refere-se uma região desabitada, algum lugar sem dono e sem agricultura, em oposição a algum pasto ou terra cultivada.
  2. Mudem de via!, Mudem suas mentes, do grego metanoeh'o, refere-se a uma mudança revolucionária de nossos pensamentos, sentimentos e condutas. A palavra é muitas vezes traduzida simplesmente como Arrependimento, mas esta é uma inferência perigosa, pois o sentido original significa mudar a mente para melhor, muito mais do que cultivar sentimentos de aborrecimento com o próprio passado. Não se trata de uma simples tristeza pelo pecado, mas uma decisiva mudança para uma vida de obediência. Traduz a antiga idéia das escrituras hebraicas do "retorno" a aliança com Deus. Nada de remorso, auto-punição ou depressão, como podemos ver e, Mt 27,3 onde Judas se encheu de angústia, mas não se arrependeu. Esta exigência feita por João é também feita por Jesus mais para frente, ver Mt 4,17.
  3. Reino dos Céus. e Reino de Deus, são duas expressões que transmitem uma mesma idéia. A natureza exata deste reino é controversa, interpretações vão desde um estado de espírito além da compreensão terrena até um reinado utópico de Deus no céu ou ainda uma completa transformação da organização humana na propria terra sob os cuidados de Deus em pessoa. De qualquer forma, todos concordam que é a Exibição por parte de Deus da sua soberania e redenção do seu povo, livre das nossas imperfeições atuais e que é algo altamente desejavel e inevitável. Para informações mais aprofundadas consulte o artigo na Wikipedia, Reino dos Céus
  4. Endireitem, seus caminhos, Consertem suas estradas. O sentido é o de remover cada coisa que possa ser obstáculo para a completa glória desta manifestação, ver Isaiah 40:3. João, a maneira dos profetas de Israel aponta para o futuro, para UM maior que deveria vir. Sua diferença essencial é que agora esta chegada estava próxima, muito próxima.
  5. Um dito popular comum na época dizia que "Abraão está sentado nos portões do Hades e não permite que nenhum Israelita caia lá." João refuta a idéia de que bastava ser descendente de Abraão para participar do reino messiânico e de que a ira de Deus é apenas para os inimigos de Israel. Nenhum judeu por nascimento, assim como nenhum cristão batizado pode esperar ser poupado do juizo. Mais tarde João fica perplexo por Jesus não trazer o julgamento, mas sim sofrê-lo.
  6. O machado já está levantado., literalmente, o machado está posto. na época o machado era uma espécie de cunha em que se batia para que se cortasse a madeira. A metáfora quer expressar a iminência do Reino e que portanto a condenação virá sem adiamento. Refere-se ao castigo que está por vir, em Mt 3,7.
  7. Isso prefigura o batismo de fogo do dia de Pentecostes (At 2 1-13), quando o Espírito Santo apareceu como línguas de fogo, que se repartiram no céu e pousaram sobre cada um dos apóstolos. Jesus também chamou sua morte sobre a cruz de batismo, ver Lc 12,50.
  8. Carregar as sandálias, era o ofício dos escravos.
  9. Pá, mais exatamente um grande abano com o qual se produzia o vento que separava a palha do grão.
  10. O joio do trigo, é entendido hoje pela cristandade como uma ilustração da própria Igreja, pois ela e santa e pecadora e nela se encontram todos os tipos de pessoas. Cristo separará os que verdadeiramente permitiram-se tornar-se semelhantes a ele, dos demais hipócritas quando for estabelecido do Reino dos Céus.
  11. João hesitou em batizar Jesus, pois reconhecia que ele não precisava de arrependimento. Contudo para se cumprir toda a justiça, jesus tinha que se identificar com seu povo, como o que levava os seus pecados, ver 2cor 5,21. Esta identificação incluia seu batismo, morte, unção com o Espírito e vitória sobre a tentação.
  12. O Reino de Deus é definido por sua justiça. Jesus ensina a perfeita justiça que Deus exige, ver Mt 5,20-48. Ele assegura a justiça de da Lei e perfeita obediência, pois seu batismo aponta para a sua morte como um "resgate por muitos", ver Mt 20,28. A remissão dos pecados é um dos pilares do cristianismo e o dom da justifiça é recebido através da fé, ver Mt 8,10 e 23,23. No sermão da montanha, Jesus chama os sobrecarregados com o peso da justiça para que busquem nele seu descanso, ver Mt 11,28.
  13. O aparecimento do Espírito em forma de pomba lembra-nos a atividade criativa do Espírito em Gn 1,2 e assim aponta para o começo de uma nova criação por meio do ministério de Jesus.
  14. O testemunho dos céus confirma a identificação de Jesus como o "Servo do Senhor", ver Is 42,1 e o relaciona com o reinado messiânico.