Bóiam farrapos de sombra

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bóiam farrapos de sombra
por Fernando Pessoa


Bóiam farrapos de sombra
Em torno ao que não sei ser
É todo um céu que se escombra
Sem me o deixar entrever.

O mistério das alturas
Desfaz-se em ritmos sem forma
Nas desregradas negruras
Com que o ar se treva torna.

Mas em tudo isto, que faz
O universo um ser desfeito,
Guardei, como a minha paz,
A esperança, que a dor me traz,
Apertada contra o peito.