Canção da Polícia Militar

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Canção da Polícia Militar
Letra por Guilherme de Almeida
Melodia por Major PM Músico Alcides Jácomo Degobbi
Em 1964, o então Comandante Geral da Força Pública, General João Franco Pontes, obteve do poeta Guilherme de Almeida a letra, que o Major Maestro PM Alcides Jácomo Degobbi, musicou. Surgia assim a "Canção da Polícia Militar". A estréia da composição deu-se no pátio interno da Academia de Polícia Militar do Barro Branco em 15 de dezembro de 1964.


Sentido! Frente,ordinário marcha!
Feijó conclama,Tobias manda
E na distância,desfila a marcha
Nova cruzada,nova demanda
Um só por todos,todos por um
Dos cento e trinta de trinta e um!

Legião de idealistas
Feijó e Tobias
Legaram-na aos seus
Tornando-os vigias
Da Lei e Paulistas
"Por mercê de Deus".

Ei-los que partem! Na paz, na guerra
Brasil Império,Brasil República
Seus passos deixam, fundo na terra
Rastro e raízes: é a Força Pública
Multiplicando por mil e um
Os cento e trinta de trinta e um.

Legião de idealistas
Feijó e Tobias
Legaram-na aos seus
Tornando-os vigias
Da Lei e Paulistas
"Por mercê de Deus".

Missão cumprida em Campo das Palmas
Laguna, heroísmo na "Retirada"
Glória em Canudos; e de armas e almas,
Ao nosso Julho da Clarinada
Sob as arcadas vêm um a um,
Os cento e trinta de trinta e um.

Legião de idealistas
Feijó e Tobias
Legaram-na aos seus
Tornando-os vigias
Da Lei e Paulistas
"Por mercê de Deus".