Como às vezes num dia azul e manso

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como às vezes num dia azul e manso
por Fernando Pessoa


Como às vezes num dia azul e manso
No vivo verde da planície calma
Duma súbita nuvem o avanço
Palidamente as ervas escurece
Assim agora em minha pávida alma
Que súbito se evola e arrefece
A memória dos mortos aparece...