Como estais tão galantinho

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como estais tão galantinho
por Popular
Quadras recolhidas por António Tomás Pires.


Hei de dar ao Menino
Uma fita prò chapéu;
Também Ele me há de dar
Um lugarzinho no Céu.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Hei de dar ao Menino
Uma fita prá cintura;
Também Ele me há de dar,
No seu peito, sepultura.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Hei de dar ao Menino
Um vestido cor de amora;
Também Ele me há de dar,
Um lugarzinho na Glória.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Hei de dar ao Menino
Para a noite de Natal,
Camisinha de Cambraia
Botõezinhos de cristal.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

O Menino chora, chora,
Chora pelos sapatinhos,
Haja quem lhe dê as solas,
Que eu lhe farei os saltinhos.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Cantai anjos ao Menino
Que aí vem São José,
Que lhe traz uns sapatinhos
Da feira de Santo André.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Ó meu Menino Jesus,
Meu Menino da minh’alma,
Vieste nascer p’lo frio,
Podendo nascer p’la calma.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Ó meu Menino Jesus,
Minha ginja garrafal,
Sereis o meu confessor,
Farei confissão geral.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

O Menino está dormindo
No presépio de Belém,
Os anjos lhe estão cantando:
“Nosso amor e nosso bem”.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

O Menino está dormindo
Um sono muito profundo,
Os anjos lhe estão cantando:
“Glória ao Salvador do mundo.”
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

O Menino está nascido
Sobre palha asp’ra e fria,
Os anjos lhe estão cantando:
“Glória à Virgem Maria.”
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

‘Stá na lapa de Belém
O Deus Menino deitado
Filho da Virgem Maria
Pelos três Reis adorado.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Adorando a Deus Menino,
Estão os pastorinhos,
Com a fé no coração
E nas mãos os cordeirinhos.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Ó meu amado Menino,
Boquinha de sangue e leite,
Vossa mãe é uma rosa,
Vosso pai, um ramalhete.
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!

Três palavras disse a Vigem,
Quando nasceu o Menino:
“Vinde cá, meu bago d’ouro,
Meu sacramento divino.”
Como estais tão galantinho
Verbo encarnado, divino!