Contos Populares Portuguezes/A Senhora da Graça

Wikisource, a biblioteca livre
< Contos Populares Portuguezes
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LXVIII


A SENHORA DA GRAÇA

Era de uma vez um homem, que era casado com uma mulher, muito amiga de vinho, a ponto de não deixar parar vinho na adega. Um dia o homem sahiu para comprar uns bois, e recommendou á mulher que não fosse á adega beber o vinho. Apenas o homem virou costas, a mulher chamou logo uma comadre e foram ambas para a adega beber o melhor pipo de vinho que encontraram. O homem quando voltou para casa e se achou sem o vinho, queria bater na mulher; mas ella disse-lhe que não lhe batesse, pois estava innocente, quem tinha bebido o vinho tinha sido a gata. Como o homem não quizesse acreditar, a mulher disse-lhe: «Pois olha, homem, havemos ir á Senhora da Graça, e havemos perguntar-lhe quem foi que bebeu o vinho, se fui eu ou a gata; se a Senhora disser que foi eu, hei de trazer-te ás costas para casa, e se eu estiver innocente has de tu trazer-me a mim.»

Partiu o homem mais a mulher para a Senhora da Graça, e tendo chegado a um sitio onde havia um echo a mulher disse ao homem: «Olha, escusamos de ir mais longe; Nossa Senhora tambem aqui nos ouve.» O homem então gritou com toda a força: «Dizei-me, Senhora da Graça, quem bebeu o vinho, foi a mulher ou foi a gata?» E o echo respondeu: «A gata.»

Tres vezes o homem perguntou o mesmo, e tres vezes o echo lhe respondeu a gata. O homem então convencido que a mulher estava innocente, levou-a ás costas para casa, e matou a gata para ella não lhe ir beber mais o vinho.

(Coimbra.)