Contos Populares Portuguezes/Sciencia, sabedoria e capacidade

Wikisource, a biblioteca livre
< Contos Populares Portuguezes
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LXVII


SCIENCIA, SABEDORIA E CAPACIDADE


Era uma vez uma mulher que era casada, e como ella fosse muito formosa, tinha muito quem gostasse d'ella. Entre os que lhe dirigiam finezas, havia um medico, um advogado e um padre, que cada um por sua vez lhe pediram que os recebesse em casa d'ella, uma noite. A mulher contou isto ao marido antes de lhes dar a resposta, e elle disse-lhe: «Olha, diz ao medico que o recebes ás dez horas, ao advogado ás onze e ao padre á meia noite, e quando vier o advogado, tu finges que sou eu, e metes o medico n'um dos escaninhos do armario; quando vier o padre, metes o advogado no outro escaninho, fingindo sempre que sou eu que bato á porta; finalmente, metes o padre no outro escaninho, e deixa o resto por minha conta. Ás dez horas em ponto chegou o medico; pouco depois bateu o advogado á porta, e então a mulher disse para o medico: «Ai! que estamos perdidos que vem lá meu marido… meta-se n'este armario até que eu o mande sahir.» Depois fez o mesmo ao advogado e ao padre, que sem saberem uns dos outros ficaram fechados no armario. No dia seguinte era dia de feira, e o marido da mulher levantou-se muito cedo, poz o armario ás costas e encaminhou-se para a feira, indo sempre apregoando pelo caminho: «Quem merca sciencia, sabedoria e capacidade.» Todos queriam comprar as tres coisas, mas só quando estava já muita gente na feira, é que o homem abriu o armario e disse: «Aqui está a sciencia», e mandou sahir o medico que estava em camisa e fugiu envergonhado. Depois, mandou sair o advogado, que estava em ceroulas, e disse: «Aqui está a sabedoria.» E por fim mandou sahir o padre que estava em cuécas, e disse: «Aqui está a capacidade.» Os tres fugiram todos envergonhados, e o padre punha a mão na coroa para não lh'a verem. Toda a gente ria a bom rir, e o marido voltou para casa muito satisfeito com a lição que tinha dado aos que pretendiam roubar-lhe a mulher.

(Coimbra).