Contos de Grimm/Os músicos de Bremen

Wikisource, a biblioteca livre
< Contos de Grimm
Ir para: navegação, pesquisa
Contos de Grimm
por Irmãos Grimm
27 – Os músicos de Bremen


Os músicos de Brêmen[editar]

InicialU.svg
m certo homem tinha um burro, que durante muitos e muitos anos havia carregado infatigavelmente para ele sacos e sacos de milho para o moinho, porém, suas forças estavam se esgotando, e a cada dia que passava ele se sentia cada vez mais fraco para o trabalho. Então o seu amo começou a pensar a melhor forma de poupá-lo do trabalho, mas o burro, tendo percebido que os ventos eram desfavoráveis, fugiu e tomou a estrada com destino à cidade de Bremen.

, ele pensou, — poderei ser músico na cidade. Quando ele tinha caminhado uma certa distância, ele encontrou um cachorro deitado na estrada, abrindo a boca como alguém que houvesse corrido tanto que estava cansado.

Porque estás assim tão cansado?, meu grande amigo?, perguntou o burro.

Ah, respondeu o cachorro, como estou velho, e a cada dia ficando mais fraco, e não consigo caçar mais, meu dono queria me matar, então eu fugi, mas, agora, como é que eu vou fazer para viver?.

Eu lhe direi como, disse o burro, eu estou indo para Bremen, e vou ser músico desta cidade, venha comigo e seja também um músico como eu. Eu tocarei flauta e você bate o tambor.

O cão concordou, e eles seguiram caminho. Pouco depois, encontraram um gato, sentado ao relento, chorando tanto que parecia ter chovido durante três dias sem parar!

Que cara é essa, companheiro? Porque você está olhando torto desse jeito? perguntou o burro.

Quem pode estar feliz quando seu pescoço está em perigo?, respondeu o gato.

Como eu estou ficando velho, e os meus dentes estão gastos que nem cacos, e eu prefiro ficar sentado perto da lareira e ficar girando, ao invés de caçar ratos, a minha dona queria me afogar, então eu fugi. Mas agora conselhos não servem pra nada. Para onde é que eu vou?

Vamos conosco para Bremen. Você entende de músicas noturnas, então você poderá ser um músico da cidade.

O gato pensou bastante a respeito, e partiu com eles. Pouco depois, os três fugitivos chegaram a uma fazenda, onde um galo estava sentado perto do portão, gritando tudo que podia.

Você está cantando muito fraco, disse o burro. O que foi que lhe aconteceu?

Eu sempre cantei durante os bons tempos, porque são os dias em que Nossa Senhora lavava as roupinhas do menino Jesus, e precisava que elas se secassem, disse o galo; mas os convidados chegarão domingo, então a minha dona não tem piedade, e disse ao cozinheiro que ela pretendia me comer na sopa amanhã, e esta noite vão cortar a minha cabeça. Então eu estou cantando com todas as forças do meu pulmão.

Ah, meu amigo da crina vermelha, disse o burro, seria melhor que você viesse conosco. Estamos indo para Bremen, lá você poderá encontrar algo melhor do que a morte em todos os lugares: você tem uma boa voz, e se compormos músicas juntos ela deverá ter alguma qualidade!

O galo concordou com o plano, e os quatro partiram juntos. Todavia, não conseguiram chegar à cidade de Bremen no mesmo dia, e à noitinha eles chegaram a uma floresta, onde pretendiam passar a noite.

O burro e o cachorro se deitaram debaixo de uma grande árvore, o gato e o galo se acomodaram nos galhos da árvore, mas o galo voou direto para o alto da árvore, onde havia maior segurança. Antes de começar a dormir ele olhou em torno dos quatro lados, e pensou ter visto à distância algumas fagulhas queimando, então ele gritou aos seus companheiros que deveria haver uma casa não muito longe, porque havia uma luz. O burro disse,

Se isso for verdade, seria melhor que levantássemos e continuássemos, porque o abrigo aqui não é seguro. O cachorro pensou que alguns ossos com alguma comida também lhe fariam bem.

InicialE.svg
ntão, caminharam até o lugar onde estava a luz, e logo perceberam que ela brilhava mais intensamente e ficava mais forte, até que eles chegaram à bem iluminada casa do ladrão. O burro, que era o mais alto, foi até a janela e deu uma espiada.

O que você está vendo, meu cavalo cinzento?,perguntou o galo.

O que estou vendo? Respondeu o burro, uma mesa coberta com coisas deliciosas para comer e para beber, e ladrões sentados em torno dela se divertindo.Isso não seria nada mau para nós, disse o galo.

Sim, sim, ah, como eu gostaria de estar lá!, disse o burro.

Então os animais ficaram estudando um plano como eles conseguiriam expulsar os ladrões, e finalmente encontraram uma solução. O burro devia colocar suas patas dianteiras sobre o apoio da janela, o cachorro devia saltar sobre as costas do burro, e o gato devia subir no cachorro, e por último o galo devia voar e pousar em cima da cabeça do gato.

Quando fizeram isto, depois que combinaram um sinal, eles começaram a cantar juntos uma música: o burro urrava, o cão latia, o gato miava e o galo cantava, então eles entraram na casa pela janela, quando houve um barulho por causa do vidro quebrado!

Devido ao estampido ensurdecedor, os ladrões pularam, pensando que nenhuma outra coisa além de fantasmas poderia ter vindo ali, e fugiram apavorados para a floresta. Os quatro companheiros sentaram-se então à mesa, bastante felizes com o que haviam deixado, e comeram como se fossem passar fome durante um mês.

Depois que os quatro cantores haviam terminado, eles apagaram as luzes, e cada um procurou um lugar para dormir de acordo com sua natureza e ao que lhe fosse mais adequado. O burro deitou-se em cima de algumas palhas no quintal, o cachorro atrás da porta, o gato ao lado da lareira perto das cinzas quentes, e o galo encontrou um poleiro na viga do telhado, e como estavam cansados de tanto caminhar, logo pegaram no sono.

Quando havia já passado da meia noite, e os ladrões viram de longe que as luzes não estavam mais acesas dentro da casa, e tudo parecia tranquilo, disse o chefe dos ladrões,

Nós não deveríamos permitir que nos assustássemos dessa maneira, e ordenou que um deles fosse e examinasse a casa.

Os músicos de Bremen
InicialO.svg
mensageiro, encontrando tudo tranquilo, entrou na cozinha para acender uma vela, e acreditando que os olhos brilhantes e ardentes do gato fossem brasas incandescentes, riscou um fósforo para acendê-la. O gato porém, não entendeu a brincadeira e pulou na cara dele, cuspindo e arranhando o ladrão. Ele ficou muito assustado, e correu para a porta dos fundos, e bateu no cachorro, que lá estava deitado, o qual pulou na sua perna e o mordeu, e quando ele atravessou o quintal perto do monte de palhas, o burro lhe deu um coice tão forte com sua pata traseira. O galo, também, que tinha sido acordado por causa do barulho, e tinha ficado esperto, cocorejou do seu poleiro: Có, có, ró, có!

Então o ladrão fugiu de volta o mais rápido que pode ao seu chefe, e disse: — Ah, tem uma bruxa horrorosa lá dentro da casa, que cuspiu em mim, e arranhou o meu rosto com suas garras enormes, e perto da porta havia um homem com uma faca, que me feriu na perna, e no quintal havia um monstro negro, que bateu em mim com um pedaço de pau, e lá em cima no telhado, havia um juiz que gritou: — Tragam-me o safado aqui para mim, então eu fugi o mais rápido que pude.

Depois disto os ladrões não tiveram coragem de entrar na casa novamente, mas ela era tão perfeita para os quatro músicos de Bremen que eles jamais se preocuparam em deixá-la nunca mais. E a boca de quem contou esta história por último ainda não esfriou.