Corpos

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Corpos
por Fernando Pessoa
s.d.


O meu corpo é o abismo entre eu e eu.
Se tudo é um sonho sob o sonho aberto

Do céu irreal, sonhar-te é possuir-te,
E possuir-te é sonhar-te de mais perto

As almas sempre separadas,
Os corpos são o sonho de uma ponte
Sobre um abismo que nem margens tem

Eu porque me conheço, me separo
De mim, e penso, e o pensamento é avaro

A hora passa. Mas meu sonho é meu.