De mort'é o mal que me vem

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
De mort'é o mal que me vem
por Fernán Gonçalves de Seavra


De mort'é o mal que me vem
muit'e tam grave de sofrer
que jamais, enquant'eu viver,
se de mia senhor nom hei bem,
       nunca me pode tolher al
       mal nem gram coita, senom mal
  
de mort'; e pois que eu bem sei
que de mia senhor muit'amar
nom hei poder de me quitar,
por en, se dela bem nom hei,
       nunca me pode tolher al,
       mal nem gram coita, senom mal
  
de morte; ca, enquant'eu for
vivo, desejarei o seu
bem; e por aquesto sei eu,
se bem nom hei de mia senhor,
       nunca me pode tolher al,
       mal nem gram coita, senom mal
  
de morte; ca tod'outro mal
d'amor sei eu ca me nom fal.