De uma dor de garganta adoecestes

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Roga o poeta à sua esposa, que suspenda o remedio das sangrias.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsMaria

De uma dor de garganta adoecestes,
E foram, Tisbe, quando vos sangrastes,
Piques aquela dor, de que enfermastes,
Rosas aquele sangue, que vertestes.

Oh que discretamente discorrestes
No remédio, que à dor logo aplicastes.
Pois por força nas rosas, que lançastes,
Haviam de ir os piques, que tivestes.

Mas ai! que por meu mal desejo agora
Um novo mal em vós, ó Tisbe minha;
E se o pode alcançar, quem vos adora,

Peço, que suspendais essa meizinha,
Que se ainda mais rosas lançais fora,
Receio, que fiqueis posta na espinha.