Desencantos/Parte II

Wikisource, a biblioteca livre
< Desencantos
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Desencantos
por Machado de Assis
Ouça este texto (ajuda | info da mídiadownload)

NA CORTE

Uma sala em casa de Pedro Alves

CENA I[editar]

Clara, Pedro Alves

PEDRO ALVES - Ora, não convém por modo algum que a mulher de um deputado ministerialista vá à partida de um membro da oposição. Em rigor, nada há de admirar nisso. Mas o que não dirá a imprensa governista! O que não dirão os meus colegas da maioria! Está lendo?

CLARA - Estou folheando este álbum.

PEDRO ALVES - Nesse caso, repito-lhe que não convém...

CLARA - Não precisa, ouvi tudo.

PEDRO ALVES (levantandose) - Pois aí está; fique com a minha opinião.

CLARA - Prefiro a minha.

PEDRO ALVES - Prefere...

CLARA - Prefiro ir à partida do membro da oposição.

PEDRO ALVES - Isso não é possível. Oponho-me com todas as forças.

CLARA - Ora, veja o que é o hábito do parlamento! Opõe-se a mim, como se eu fosse um adversário político. Veja que não está na câmara, e que eu sou mulher.

PEDRO ALVES - Mesmo por isso. Deve compreender os meus interesses e não querer que seja alvo dos tiros dos maldizentes. Já não lhe falo nos direitos que me estão confiados como marido...

CLARA - Se é tão aborrecido na câmara como é cá em casa, tenho pena do ministério e da maioria.

PEDRO ALVES - Clara!

CLARA - De que direitos me fala? Concedo-lhe todos quantos queira, menos o de me aborrecer; e privar-me de ir a esta partida, é aborrecer-me.

PEDRO ALVES - Falemos como amigos. Dizendo que desistas do teu intento, tenho dois motivos: um político e outro conjugal. Já te falei do primeiro.

CLARA - Vamos ao segundo.

PEDRO ALVES - O segundo é este. As nossas primeiras vinte e quatro horas de casamento, passaram para mim rápidas como um relâmpago. Sabes por que? Por que a nossa lua de mel não durou mais do que esse espaço. Supus que, unindo-te a mim, deixasses um pouco a vida dos passeios, dos teatros, dos bailes. Enganei-me; nada em teus hábitos; eu posso dizer não me casei para mim. Fui forçado a acompanhar-te por toda a parte, ainda que isso me custasse grande aborrecimento.

CLARA - E depois?

PEDRO ALVES - Depois, é que esperando ver-te cansada dessa vida, reparo com pesar que continuas na mesma e muito longe ainda de a deixar.

CLARA - Conclusão: devo romper com a sociedade e voltar a alongar as suas vinte quatro horas de lua de mel, vivendo beatificamente ao lado um do outro, debaixo do teto conjugal...

PEDRO ALVES - Como dois pombos.

CLARA - Como dois pombos ridículos! Gosto de ouvi-lo com essas recriminações. Quem o atender, supõe que se casou comigo pelos impulsos do coração. A verdade é que me esposou por vaidade, e que quer continuar essa lua de mel, não por amor, mas pelo susto natural de um proprietário que receia perder um cabedal precioso.

PEDRO ALVES - Oh!

CLARA - Não serei um cabedal precioso?

PEDRO ALVES - Não digo isso. Protesto, sim, contra as tuas conclusões.

CLARA - O protesto é outro hábito do parlamento! Exemplo às mulheres futuras do quanto, no mesmo homem, fica o marido suplantado pelo deputado.

PEDRO ALVES - Está bom, Clara, concedo-te tudo.

CLARA (levantando-se) - Ah! vou fazer cantar o triunfo!

PEDRO ALVES - Continua a divertir-te como for de teu gosto.

CLARA - Obrigada!

PEDRO ALVES - Não se dirá que te contrariei nunca.

CLARA - A história há de fazer-te justiça.

PEDRO ALVES - Acabemos com isto. Estas pequenas rixas azedam-me o espírito, e não lucramos nada com elas.

CLARA - Acho que sim. Deixe de ser ridículo, que eu continuarei nas mais benévolas disposições. Para começar, não vou à partida da minha amiga Carlota. Está satisfeito?

PEDRO ALVES - Estou.

CLARA - Bem. Não se esqueça de ir buscar minha filha. É tempo de apresentá-la à sociedade. A pobre Clarinha deve estar bem desconsolada. Está moça e ainda no colégio. Tem sido um descuido nosso.

PEDRO ALVES - Irei buscá-la amanhã.

CLARA - Pois bem. (Sai).

CENA II[editar]

Pedro Alves e um criado

PEDRO ALVES - Safa! que maçada!

O CRIADO - Está aí uma pessoa que

quer lhe falar.

PEDRO ALVES - Faze-a entrar.


CENA III[editar]

Pedro Alves, Luiz de Mello


PEDRO ALVES - Que vejo!

LUIZ - Luiz de Mello, lembra-se?

PEDRO ALVES - Muito. Venha um abraço! Então como está? Quando chegou?

LUIZ - Pelo último paquete.

PEDRO ALVES - Ah! não li nos jornais.

LUIZ - O meu nome é tão vulgar que facilmente se confunde com os outros.

PEDRO ALVES - Confesso que só agora sei que está no Rio de Janeiro. Sentemo-nos. Então andou muito pela Europa?

LUIZ - Pela Europa quase nada; a maior parte do tempo gastei em atravessar o Oriente.

PEDRO ALVES - Sempre realizou a sua idéia?

LUIZ - É verdade, vi tudo o que a minha fortuna podia oferecer aos meus instintos artísticos.

PEDRO ALVES - Que de impressões havia de ter! muito turco, muito árabe, muita mulher bonita, não? Diga-me uma coisa, há também ciúmes por lá?

LUIZ - Há.

PEDRO ALVES - Contar-me-á a sua viagem por extenso.

LUIZ - Sim, com mais descanso. Está de saúde a Sra. D. Clara Alves?

PEDRO ALVES - De perfeita saúde. Tenho muito que lhe dizer respeito ao que se passou depois que se foi embora.

LUIZ - Ah!

PEDRO ALVES - Passei estes cinco anos no meio da mais completa felicidade. Ninguém melhor saboreou as delícias do casamento. A nossa vida conjugal pode-se dizer que é um céu sem nuvens. Ambos somos felizes, e ambos nos desvelamos por agradar um ao outro.

LUIZ - É uma lua-de-mel sem ocaso.

PEDRO ALVES - E lua cheia.

LUIZ - Tanto melhor! Folgo de vê-los felizes. A felicidade na família é uma cópia, ainda que pálida, da bem-aventurança celeste. Pelo contrário, os tormentos domésticos representam na terra o purgatório.

PEDRO ALVES - Apoiado!

LUIZ - Por isso estimo que acertasse com a primeira.

PEDRO ALVES - Acertei. Ora, do que eu me admiro não é do acerto, mas do modo por que de pronto me habituei à vida conjugal. Parece-me incrível. Quando me lembro da minha vida de solteiro, vida de borboleta, ágil e incapaz de pousar definitivamente sobre uma flor...

LUIZ - A coisa explica-se. Tal seria o modo por que o enredaram e pregaram com o competente alfinete no fundo desse quadro chamado lar doméstico!

PEDRO ALVES - Sim, creio que é isso.

LUIZ - De maneira que hoje é pelo casamento?

PEDRO ALVES - De todo o coração.

LUIZ - Está feito, perdeu-se um folgazão, mas ganhou-se um homem de bem.

PEDRO ALVES - Ande lá. Aposto que também tem vontade de romper a cadeia do passado?

LUIZ - Não será difícil.

PEDRO ALVES - Pois é o que deve fazer.

LUIZ - Veja o que é o egoísmo humano. Como renegou da vida de solteiro, quer que todos professem a religião do matrimônio.

PEDRO ALVES - Escusa moralizar.

LUIZ - É verdade que é uma religião tão doce!

PEDRO ALVES - Ah!... Sabe que estou deputado!

LUIZ - Sei e dou-lhe os meus parabéns.

PEDRO ALVES - Alcancei um diploma na última eleição. Na minha idade ainda é tempo de começar a vida política, e nas circunstâncias eu não tinha outra a seguir mais apropriada. Fugindo às antigas parcialidades políticas, defendo os interesses do distrito que represento, e como o governo mostra zelar esses interesses, sou pelo governo.

LUIZ - É lógico.

PEDRO ALVES - Graças a esta posição independente, constituí-me um dos chefes da maioria da câmara.

LUIZ - Ah! ah!

PEDRO ALVES - Acha que vou depressa! Os meus talentos políticos dão razão da celeridade da minha carreira. Se eu fosse a nulidade, nem alcançaria um diploma. Não acha!

LUIZ - Tem razão...

PEDRO ALVES - Por que não tenta a política!

LUIZ - Porque a política é uma vocação, e quando não é vocação é uma especulação. Acontece muitas vezes que, depois de ensaiar diversos caminhos para chegar ao futuro, depara-se finalmente com o da política para o qual convergem as aspirações íntimas. Comigo não se dá isso. Quando mesmo o encontrasse juncado de flores, passaria por ele para tomar outro mais modesto. Do contrário, seria fazer política de especulação.

PEDRO ALVES - Pensa bem.

LUIZ - Prefiro a obscuridade ao remorso que me ficaria de representar um papel ridículo.

PEDRO ALVES - Gosto de ouvir falar assim. Pelo menos é franco e vai logo dando o nome às coisas. Ora, depois de uma ausência de cinco anos parece que há vontade de passar algumas horas juntos, não? Fique para jantar conosco.

LUIZ - Fico, mas vou antes deixar um cartão de visita à casa do seu vizinho comendador. Já volto.


CENA IV[editar]

Clara, Pedro Alves, Luiz


PEDRO ALVES - Clara, aqui está um velho amigo que não vemos há cinco anos.

CLARA - Ah! o Sr. Luiz de Mello!

LUIZ - Em pessoa, minha senhora.

CLARA - Seja muito bem vindo! Causa-me uma surpresa agradável.

LUIZ - V. Excia. honra-me.

CLARA - Venha sentar-se. O que nos conta?

LUIZ (conduzindo-a para uma cadeira) - Para contar tudo fora preciso um tempo interminável.

CLARA - Cinco anos de viagem!

LUIZ - Vi tudo quanto se pode ver nesse prazo. Diante de V. Excia. está um homem que acampou ao pé das pirâmides.

CLARA - Oh!

PEDRO ALVES - Veja isto!

CLARA - Contemplado pelos quarenta séculos!

PEDRO ALVES - E nós que o fazíamos a passear pelas capitães da Europa.

CLARA - É verdade, não suponhamos outra coisa.

LUIZ - Fui comer o pão da vida errante dos meus camaradas árabes. Boa gente! Podem crer que deixei saudades de mim.

CLARA - Admira que entrasse no Rio de Janeiro com esse lúgubre vestuário da nossa prosaica civilização. Devia trazer calça larga, alfange e burnou. Nem ao menos burnou! Aposto que foi Kadi?

LUIZ - Não, minha senhora; só os filhos de Islã têm direito a esse cargo.

CLARA - Está feito. Vejo que sacrificou cinco anos, mas salvou a sua consciência religiosa.

PEDRO ALVES - Teve saudades de cá?

LUIZ - À noite, na hora de repouso, lembrava-me dos amigos que deixara, e desta terra onde vi a luz. Lembrava-me do Club, do Teatro Lírico, de Petrópolis e de todas as nossas distrações. Mas vinha o dia, voltava-me eu à vida ativa, e tudo desvanecia-se como um sonho amaro.

PEDRO ALVES - Bem lhe disse eu que não fosse.

LUIZ - Por que? Foi a idéia mais feliz da minha vida.

CLARA - Faz-me lembrar o justo de que fala o poeta de Algiato, que entre rodas de navalhas diz estar em um leito de rosas.

LUIZ - São versos lindíssimos, mas sem aplicação ao caso atual. A minha viagem foi uma viagem de artista e não de peralvilho; observei com os olhos do espírito e da inteligência. Tanto basta para que fosse uma excursão de rosas.

CLARA - Vale então a pena perder cinco anos?

LUIZ - Vale.

PEDRO ALVES - Se não fosse o meu distrito sempre quisera ir ver essas coisas de perto.

CLARA - Mas que sacrifício! Como é possível trocar os conchegos do repouso e da quietação pelas aventuras de tão penosa viagem?

LUIZ - Se as coisas boas não se alcançassem à custa de um sacrifício, onde estaria o valor delas? O fruto maduro ao alcance da mão do bem-aventurado a quem as huris embalam, só existe no paraíso de Maomé.

CLARA - Vê-se que chega de tratar com árabes?

LUIZ - Pela comparação? Dou-lhe outra mais ortodoxa: o fruto provado por Eva custou-lhe o sacrifício do paraíso terrestre.

CLARA - Enfim, ajunte exemplo sobre exemplo, citação sobre citação, e ainda assim não me fará sair dos meus cômodos.

LUIZ - O primeiro passo é difícil. Dado ele, apodera-se da gente um furor de viajar, que eu chamarei febre de locomoção.

CLARA - Que se apaga pela saciedade?

LUIZ - Pelo cansaço. E foi o que me aconteceu: parei de cansado. Volto a repousar com as recordações colhidas no espaço de cinco anos.

CLARA - Tanto melhor para nós.

LUIZ - V. Excia. honra-me.

CLARA - Já não há medo de que o pássaro abra de novo as asas.

PEDRO ALVES - Quem sabe?

LUIZ - Tem razão; dou por findo o meu capítulo de viagem.

PEDRO ALVES - O pior é não querer abrir agora o da política. A propósito: são horas de ir para a câmara; há hoje uma votação a que não posso faltar.

LUIZ - Eu vou fazer uma visita na vizinhança.

PEDRO ALVES - À casa do comendador, não é? Clara, o Sr. Luiz de Mello faz-nos a honra de jantar conosco.

CLARA - Ah! quer ser completamente amável.

LUIZ - V. Excia. honra-me sobre maneira... (a Clara) Minha senhora! (a Pedro Alves) Até logo, meu amigo!


CENA V[editar]

Clara, Pedro Alves


PEDRO ALVES - Ouviu como está contente? Reconheço que não há nada para curar uma paixão do que seja uma viagem.

CLARA - Ainda se lembra disso?

PEDRO ALVES - Se me lembro!

CLARA - E teria ele paixão?

PEDRO ALVES - Teve. Posso afiançar que a participação do nosso casamento causou-lhe a maior dor deste mundo.

CLARA - Acha?

PEDRO ALVES - É que o gracejo era pesado demais.

CLARA - Se assim é, mostrou-se generoso, porque mal chegou, já nos vem visitar.

PEDRO ALVES - Também é verdade. Fico conhecendo que as viagens são um excelente remédio para curar paixões.

CLARA - Tenha cuidado.

PEDRO ALVES - Em quê?

CLARA - Em não soltar alguma palavra a esse respeito.

PEDRO ALVES - Descanse, porque eu, além de compreender as conveniências, simpatizo com este moço e agradam-me as suas maneiras. Creio que não há crime nisto, pelo que se passou há cinco anos.

CLARA - Ora, crime!

PEDRO ALVES - Demais, ele mostrou-se hoje tão contente com o nosso casamento, que parece completamente estranho a ele.

CLARA - Pois não vê que é um cavalheiro perfeito? Obrar de outro modo seria cobrir-se de ridículo.

PEDRO ALVES - Bem, são onze horas, vou para a câmara.

CLARA (da porta) - Volta cedo?

PEDRO ALVES - Mal acabar a sessão. O meu chapéu? Ah! (vai buscá-lo a uma mesa. Clara sai). Vamos lá com esta famosa votação.


CENA VI[editar]

Luiz, Pedro Alves


PEDRO ALVES - Oh!

LUIZ - O comendador não estava em casa, lá deixei o meu cartão de visita. Aonde vai?

PEDRO ALVES - À câmara.

LUIZ - Ah!

PEDRO ALVES - Venha comigo.

LUIZ - Não se pode demorar alguns minutos?

PEDRO ALVES - Posso.

LUIZ - Pois conversemos.

PEDRO ALVES - Dou-lhe meia hora.

LUIZ - Demais o seu boleeiro dorme tão a sono solto que é uma pena acordá-lo.

PEDRO ALVES - O tratante não faz outra coisa.

LUIZ - O que lhe vou comunicar é grave e importante.

PEDRO ALVES - Não me assuste.

LUIZ - Não há de quê. Ouça, porém. Chegado há três dias, tive eu tempo de ir ontem mesmo a um baile. Estava com sede de voltar à vida ativa em que me eduquei, e não perdi a oportunidade.

PEDRO ALVES - Compreendo a sofreguidão.

LUIZ - O baile foi na casa do colégio da sua enteada.

PEDRO ALVES - Minha mulher não foi por causa de um leve incômodo. Dizem que esteve uma bonita função.

LUIZ - É verdade.

PEDRO ALVES - Não achou a Clarinha uma bonita moça?

LUIZ - Se a achei bonita? Tanto que venho pedi-la em casamento.

PEDRO ALVES - Oh!

LUIZ - De que se admira? Acha extraordinário?

PEDRO ALVES - Não, pelo contrário, acho natural.

LUIZ - Faço-lhe o pedido com franqueza; peço-lhe que responda com igual franqueza.

PEDRO ALVES - Oh! da minha parte a resposta é toda afirmativa.

LUIZ - Posso contar com igual resposta da outra parte?

PEDRO ALVES - Se houver dúvida, aqui estou eu para pleitear a sua causa.

LUIZ - Tanto melhor.

PEDRO ALVES - Tencionávamos trazê-la amanhã para casa.

LUIZ - Graças a Deus! Cheguei a tempo.

PEDRO ALVES - Com franqueza, causa-me com isso um grande prazer.

LUIZ - Sim?

PEDRO ALVES - Confirmaremos pelos laços de parentesco os vínculos da simpatia.

LUIZ - Obrigado. O casamento é contagioso, e a felicidade alheia é um estímulo. Quando ontem saí do baile trouxe o coração aceso, mas nada tinha ainda assentado de definitivo. Porém tanto lhe ouvi falar de sua felicidade que não pude deixar de pedir-lhe me auxilie no intento de ser também feliz.

PEDRO ALVES - Bem lhe dizia eu há pouco que havia de me acompanhar os passos.

LUIZ - Achei essa moça, que apenas sai da infância, tão simples e tão cândida, que não pude deixar de olhála com o gênio benfazejo da minha sorte futura. Não sei se ao meu pedido corresponderá a vontade dela, mas resigno-me às conseqüências.

PEDRO ALVES - Tudo será feito a seu favor.

LUIZ - Eu mesmo irei pedi-la à Sra. Clara. Se por ventura encontrar oposição, peço-lhe então que interceda por mim.

PEDRO ALVES - Fica entendido.

LUIZ - Hoje, que volto ao repouso, creio que me fará bem a vida pacífica, no meio dos afagos de uma esposa terna e bonita. Para que o pássaro não torne a abrir as asas, é preciso dar-lhe gaiola e uma linda gaiola.

PEDRO ALVES - Bem; eu vou para a câmara, e volto apenas acabada a votação. Fique aqui e exponha a sua causa à minha mulher que o ouvirá com benevolência.

LUIZ - Dá-me esperanças?

PEDRO ALVES - Todas. Seja firme e instante.

CENA VII[editar]

Clara, Luiz


LUIZ - Parece-me que vou entrar em uma batalha.

CLARA - Ah! não esperava encontrá-lo.

LUIZ - Estive com o Sr. Pedro Alves. Neste momento foi ele para a câmara. Ouça: lá partiu o carro.

CLARA - Conversaram muito?

LUIZ - Alguma coisa, minha senhora.

CLARA - Como bons amigos?

LUIZ - Como excelentes amigos.

CLARA - Contou-lhe a sua viagem?

LUIZ - Já tive a honra de dizer a Vossa Excia. que a minha viagem pede muito tempo para ser narrada.

CLARA - Escreva-a então. Há muito episódio?

LUIZ - Episódios de viagem, tão somente, mas que trazem sempre a sua novidade.

CLARA - O seu escrito brilhará pela imaginação, pelos belos achados da sua fantasia.

LUIZ - É o meu pecado original.

CLARA - Pecado?

LUIZ - A imaginação.

CLARA - Não vejo pecado nisso.

LUIZ - A fantasia é um vidro de cor, um óculo brilhante, porém, mentiroso...

CLARA - Não me lembra de lhe ter dito isso.

LUIZ - Também eu não digo que Vossa Excia. mo tenha dito.

CLARA - Faz mal em vir do deserto, só para recordar algumas palavras que me escaparam há cinco anos.

LUIZ - Repeti-as como de autoridade. Não eram a sua opinião?

CLARA - Se quer que lhe minta, respondo afirmativamente.

LUIZ - Então deveras vale alguma coisa elevar-se acima dos espíritos vulgares, e ver a realidade das coisas pela porta da imaginação?

CLARA - Se vale! A vida fora bem prosaica se lhe não emprestássemos cores nossas e não a vestíssemos à nossa maneira.

LUIZ - Perdão, mas...

CLARA - Pode averbar-me de suspeita, está no seu direito. Nós outras, as mulheres, somos as filhas da fantasia; é preciso levar em conta que eu falo em defesa da mãe comum.

LUIZ - Está-me fazendo crer em milagres.

CLARA - Onde vê o milagre?

LUIZ - Na conversão de V. Excia.

CLARA - Não crê que eu esteja falando a verdade?

LUIZ - Creio que é tão verdadeira hoje, como foi há cinco anos, e é nisso que está o milagre da conversão.

CLARA - Pois será conversão. Não tem mais que bater palmas pela ovelha rebelde que volta ao aprisco. Os homens tomaram tudo e mal deixaram às mulheres as regiões do ideal. As mulheres ganharam. Para a maior parte o ideal da felicidade é a vida plácida, no meio das flores, ao pé de um coração que palpita. Elas sonham com o perfume das flores, com as escumas do mar, com os raios da lua e todo o material da poesia moderna. São almas delicadas, mal compreendidas e muito caluniadas.

LUIZ - Não defenda com tanto ardor o seu sexo, minha senhora. É de uma alma generosa, mas não de um gênio observador.

CLARA - Anda assim mal com ele?

LUIZ - Mal por que?

CLARA - Eu sei!

LUIZ - Aprendi a respeitá-lo, e quando assim não fosse, sei perdoar.

CLARA - Perdoar, como os reis, as ofensas por outrem recebidas.

LUIZ - Não, perdoar as próprias.

CLARA - Ah! foi vítima! Tinha vontade de conhecer o seu algoz. Como se chama?

LUIZ - Não costumo a conservar tais nomes.

CLARA - Reparo uma coisa.

LUIZ - O que é?

CLARA - É que em vez de voltar mouro, voltou profundamente cristão.

LUIZ - Voltei como fui: fui homem e voltei homem.

CLARA - Chama ser homem o ser cruel?

LUIZ - Cruel em quê?

CLARA - Cruel, cruel como todos são! A generosidade humana não para no perdão das culpas, vai até o conforto do culpado. Nesta parte não vejo os homens de acordo com o evangelho.

LUIZ - É que os homens, que inventaram a expiação legal, consagram também uma expiação moral. Quando esta não se dá, o perdão não é um dever, porém, uma esmola que se faz à consciência culpada, e tanto basta para o desempenho da caridade cristã.

CLARA - O que é essa expiação moral?

LUIZ - É o remorso.

CLARA - Conhece tabeliães que passam certificados de remorso? É uma expiação que pode não ser acreditada e existir entretanto.

LUIZ - É verdade. Mas para os casos morais há provas morais.

CLARA - Adquiriu essa rigidez no trato com os árabes?

LUIZ - Valia a pena ir tão longe para adquiri-la, não acha?

CLARA - Valia.

LUIZ - Posso elevar-me assim até ser um espírito sólido.

CLARA - Espírito sólido? Não há dessa gente por onde andou?

LUIZ - No Oriente tudo é poeta, e os poetas dispensam bem a glória de espíritos sólidos.

CLARA - Predomina lá a imaginação, não é?

LUIZ - Com toda a força do verbo.

CLARA - Faz-me crer que encontrou a suspirada exceção que... lembra-se?

LUIZ - Encontrei, mas deixei-a passar.

CLARA - Oh!

LUIZ - Escrúpulo religioso, orgulho nacional, que sei eu?

CLARA - Cinco anos perdidos!

LUIZ - Cinco anos ganhos. Gastei-os a passear, enquanto a minha violeta se educava cá num jardim.

CLARA - Ah!... viva então o nosso clima!

LUIZ - Depois de longos dias de solidão, há necessidade de quem nos venha fazer companhia, compartir as nossas alegrias e mágoas, e arrancar o primeiro cabelo que nos alvejar.

CLARA - Há.

LUIZ - Não acha?

CLARA - Mas quando, pensando encontrar a companhia desejada, encontra-se o aborrecimento e a insipidez encarnadas no objeto da nossa escolha?

LUIZ - Nem sempre é assim.

CLARA - As mais das vezes é. Tenha cuidado.

LUIZ - Oh! por esse lado, estou livre de errar.

CLARA - Mas onde está essa flor?

LUIZ - Quer saber?

CLARA - Quero, e também o seu nome.

LUIZ - O seu nome é lindíssimo. Chama-se Clara.

CLARA - Obrigada! E eu conheço-a?

LUIZ - Tanto como a si própria.

CLARA - Sou sua amiga?

LUIZ - Tanto como o é de si.

CLARA - Não sei quem seja.

LUIZ - Deixemos os terrenos das alusões vagas; é melhor falar francamente. Venho pedir-lhe a mão de sua filha.

CLARA - De Clara!

LUIZ - Sim, minha senhora. Vi-a há dois dias; está bela como a adolescência em que entrou. Revela uma expressão de candura tão angélica que não pode deixar de agradar a um homem de imaginação, como eu. Tem além disso uma vantagem: não entrou ainda no mundo, está pura de todo contato social; para ela os homens estão na mesma plana e o seu espírito ainda não pode fazer distinção entre o espírito sólido e o homem do ideal. É-lhe fácil aceitar um ou outro.

CLARA - Com efeito, é uma surpresa com que eu menos contava.

LUIZ - Posso considerar-me feliz?

CLARA - Eu sei! Por mim decido, mas eu não sou a cabeça do casal.

LUIZ - Pedro Alves já me deu seu consentimento.

CLARA - Ah!

LUIZ - Versou sobre isso a nossa conversa.

CLARA - Nunca pensei que chegássemos a esta situação.

LUIZ - Falo como um parente. Se V. Excia. não teve bastante espírito para ser minha esposa, deve tê-lo, pelo menos, para ser minha sogra.

CLARA - Ah!

LUIZ - Que quer? todos temos um dia de desencantos. O meu foi há cinco anos, hoje o desencantado não sou eu.

CENA VIII[editar]

Luiz, Pedro Alves, Clara


PEDRO ALVES - Não houve sessão; a minoria fez gazeta. (A Luiz) Então?

LUIZ - Tenho o consentimento de ambos.

PEDRO ALVES - Clara não podia deixar de atender ao seu pedido.

CLARA - Peço-lhe que faça a felicidade dela.

LUIZ - Consagrarei nisso minha vida.

PEDRO ALVES - Por mim, hei de sempre ver se posso resolvê-lo a aceitar um distrito nas próximas eleições.

LUIZ - Não será melhor ver primeiro se o distrito me aceitará?