Diccionario Bibliographico Brazileiro/Angelo Moniz da Silva Ferraz

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diccionario Bibliographico Brazileiro por Sacramento Blake
Angelo Moniz da Silva Ferraz


Angelo Moniz da Silva Ferraz, Barão de Uruguayana - Nasceu na cidade de Valença, provincia da Bahia, em 1812, e falleceu em Petropolis, provincia do Rio de Janeiro, a 18 àe Janeiro de 1867, poucos dias depois de ser agraciado com o titulo de barão com grandeza.

Fez na Bahia seus estudos de humanidades e na faculdade de Olinda o curso de sciencias sociaes e juridicas, que concluiu em 1834, sendo nomeado em seguida promotor publico da capital de sua provincia, e depois juiz de direito de Jacobina; foi muitas vezes deputado provincial, deputado geral de 1842 a 1848, e senador do Imperio em 1857, tudo pela Bahia; inspector da alfandega da côrte em 1848; júiz dos feitos da fazenda em 1853; presidente do Rio Grande do Sul em 1857; ministro da fazenda no gabinete que organisou e presidiu em 1858; e finalmente ministro da guerra no gabinete organisado em 1865 pelo Marquez de Olinda, continuando a occupar a mesma pasta na nova organisação ministerial feita no anno seguinte pelo conselheiro Zacarias, acompanhando por esta occasião sua magestade o Imperador á Uruguayana, quando esta cidade se achava occupada pela columna paraguaya commandada por Estigarribia, e assistindo á rendição da dita columna. A primeira vez que compareceu na camara temporaria, desconhecido, muito joven, deu um aparte contrariando o conselheiro A. P. Rebouças, que orava, creio eu, sobre a legitimidade de filhos. Este, depois de miral-o com seu conhecido orgulho de grande orador, insinuou Angelo Ferraz a que pedisse a palavra; e Angelo Ferraz, tomando a palavra, proferiu um discurso tão brilhante e eloquente, que o fez logo conhecido e respeitado como eximio orador, credito que confirmou melhor, dirigindo opposição em 1845, chamada a patrulha.

Foi do conselho de sua magestade o Imperador, grande do imperio, grã-cruz da ordem de Christo de Portugal, commendador da mesma ordem do Brazil e dignitario da Rosa; foi om dos mais intelligentes, eruditos e activos estadistas que o Brazil tem tido, como justificam alguns actos, que citarei, de sua administração, e com razão contemplado na galeria dos brazileiros illustres, onde vem seu retrato.

Escreveu diversos relatorios e regulamentos como presidente de provincia e ministro de estado, entre os quaes os seguintes:

- Proposta e relatorio do ministro da fazenda, apresentado á assembléa geral legislativa na quarta sessão da decima legislatura. Rio deJaneiro, 1860.

- Regulamento do imposto do sello e sua arrecadação. Rio de Janeiro, 1860.

- Regulamento das alfandegas e das mesas de rendas. Rio de Janeiro, 1860.

- A tarifa das alfandegas do Imperio do Brazil. Rio de Janeiro, 1860, 318 pags. in-4.º

- Avisos do ministro da guerra Angelo Moniz da Silva Ferraz, creando e dando instrucções à commissão de exame da legislação do exercito. Rio de Janeiro, 1866, in-4.º

Escreveu mais:

- Dezesete notas feitas ao relatorio da commissão encarregada de rever a tarifa das alfandegas do Imperio, pelo presidente e relator da mesma commissão. Rio de Janeiro, 1853, 21 pags.

- Relataria da commissão encarregada pelo governo imperial, por avisos de 1 de outubro e de 28 de dezembro de 1864, de proceder a um inquerito sobre as causas principaes e accidentaes da crise do mez de setembro de 1864. Rio de Janeiro, 1865 - Este trabalho, si não é todo do Barão de Uruguayana, é sua, com certeza, a parte principal. Contém elle muitos documentos, mappas e artigos publicados na imprensa ácerca da crise.

- Discurso sobre o voto de graças na sessão de 15 de maio de 1844.- Vem com outros dos deputados F. R. de Assis Coelho, E. de Q. M. Camara, J. M. Pereira da Silva, L. A. Barbosa e J. E. de N, Sayão Lobato, n'um volume com o titulo - Discursos etc., na sessão de 15 de maio de 1844, Rio de Janeiro, 1844.