Do Prado mais ameno a flor mais pura

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A morte deste conde succedida no mar quando se retirava para Lisboa.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsHomens de Bem

Do Prado mais ameno a flor mais pura,
Que em fragrâncias o alento há desatado,
Hoje a fortuna insípida há roubado
A pompa, o ser, a gala, a formosura.

Flor foste, ó Conde, a quem a desventura
Por decreto fatal do iníquio fado
Quis dar-te como flor do melhor Prado
Tumba no mar, nas águas sepultura.

Porque menos decente o monumento
Poderias achar no infeliz caso
De ver extinto tanto luzimento.

Por magnânimo herói no final prazo
Somente na extensão desse elemento
Terias como sol decente ocaso.