Douto, prudente, nobre, humano, afável

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ao mesmo por suas altas prendas.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsJuízes de Igaraçu
 
 Dou        pruden         nobre, huma        afá 
        to,              te,                        no,        vel, 
 Re              cien                 benig        e aplausí 
 Úni                singular ra                     inflexí 
              co,                  ro,                         vel 
 Magnífi                   precla                    incompará 
 Do mun                grave Ju                            inimitá 
            do                         is                              vel 
 Admira                    goza    o aplauso            crí 
 Po    a trabalho tan              e t                      terrí 
    is                    to                 ão                         vel 
 Da               pron        execuç    sempre incansá 
 Voss      fa   Senhor sej                  notór 
        a            ma                    a                  ia 
 L            no cli      onde   nunc     chega o d 
 Ond            de  Ere    só se      tem      memór 
            e                bo                                 ia 
 Para qu              gar                tal,         tanta energ 
 po                de   tod        est         terr      é gentil glór 
              is                a        a            a                      ia 
 Da ma            remot        sej          um              alegr