Em Tradução:Crítica ao programa de Gotha

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Crítica ao programa de Gotha
por Karl Marx
Critica ao programa de gotha, é uma critica ao esboço do programa dos "Trabalhadores unidos da alemanha. Nesse documento marx acentua a ditadura do proletariado, periodo de trasição do capitalismo para o comunismo, essas, duas fazes de uma sociedade comunista, da produção e distribuição dos bens comuns, do internacionalismo proletário, e da luta entre as classes.

Lenin algum tempo depois escreveu :

O grande significado das explicações e teorias de marx, esta aqui também, ele conscientimente aplica o "materialismo dialético", a teoria do desenvolvimento, e considera o comunismo como algo que se torna distante do capitalismo. Ao invés do que nos foi dito pela escolástica,"Confusas" definições e disputas ente palavras que não levarão a lugar algum, (O que é o socialismo ? O que é o comunismo ?) Marx nos dá uma análise daquilo que pode ser chamado de estágios econômicos de maturidade do comunismo.

(Trabalhos Selecionados de Lênin, Volume 25, p. 471)

Engels em seu prefácio quando o documento foi publicado pela primeira vez em 1981, Junto com a crítica do programa de Gotha publicou a carta de Marx a Bracke, diretamente ligada ao trabalho.



Prefácio[editar]

Carta a Bracke[editar]

Parte I[editar]

  • O trabalho é a principal fonte de riqueza em todas as culturas, e desde que util, o trabalho é possivel em várias sociedades, e através delas, os rendimentos do trabalho não são divididos em igualdade a todos os membros da sociedade.
  • Nas sociedades atuais, os instrumentos de trabalho são o monopólio da classe capitalista; isso resulta na total dependência da classe trabalhadora, causando assim a miséria e a servidão em diversas formas.
  • A emancipação do trabalho demanda da promoção dos instrumentos de trabalho a uma sociedade de propriedade comum em que a cooperação regula todo o trabalho, isto tudo com uma grande distribuição igualitária no processo do mesmo.
  • A emancipação do trabalho, PRECISA ser feita nas classes trabalhadoras, essa que em relação a todas as outras classes se apresentao apenas como uma massa de manobra.
  • A classe trabalhadora luta forçadamente por essa emancipação, primeiramente dentro das estruturas das nações atuais, consicientimente essa mudanca necessária resulta destes esforços , os quais devem ser comuns a todos os trabalhadores de todos os países civilizados, e assim teremos uma grande irmandade de pessoas.

Parte II[editar]

  • Partindo destes principios básicos, os trabalhadores alemães, moveram-se numa luta por um ideal, um estado livre e socialista: Esta "abolição" do sistema salarial foi necessaria,devido ao grande problema salarial em conjunto com as altas leis de pagamento e a exploração em todas as formas, aos quais os trabalhadores eram sujeitados; levaram-os a reivindicar a eliminação de toda e qualquer desigualdade social e política.

Part III[editar]

  • A grande iniciativa dos trabalhadores alemães, teve a função de abrir caminho para a solução dos problemas sociais, exidos pelo estabelecimento dos produtores, Sociedades cooperativas com um estado subordinado ao controle democrático do povo trabalhador. Os produtores, nas sociedades cooperativas (socialistas) são chamados a produzir para a indústria e agricultura, na escala em que a organização socialista do trabalho se sustentará por sí mesma.

Parte IV[editar]

  • As bases de uma sociedade livre
  • Os trabalhadores alemães' a revolução necessita de uma produção intelectual e ética como bases do estado

Apêndice[editar]

  • Dia normal de trabalho.
  • Restrições ao trabalho feminino e proibição do trabalho infantil
  • Supervisionamento do estado nas fábricas, oficinas, e indústrias domésticas.
  • Regulamentação do trabalho de prisioneiros.
  • Uma efetiva lei de responsabilidade.