Esvelta surge! Vem das aguas, nua

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Esvelta surge! Vem das aguas, nua
por Camilo Pessanha
Poema publicado em Clepsydra

Esvelta surge! Vem das aguas, nua,
Timonando uma concha alvinitente!
Os rins flexiveis e o seio fremente...
Morre-me a bocca por beijar a tua.

Sem vil pudôr! Do que ha que ter vergonha?
Eis-me formoso, môço e casto, forte.
Tão branco o peito!—para o expôr á Morte...
Mas que ora—a infame!—não se te anteponha.

A hydra torpe!... Que a estrangulo... Esmago-a
De encontro á rocha onde a cabeça te ha-de,
Com os cabellos escorrendo agua,

Ir inclinar-se, desmaiar de amor,
Sob o fervor da minha virgindade
E o meu pulso de jovem gladiador.