Fabulas de Esopo/A Gralha e a Ovelha

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
A Gralha e a Ovelha


FABULA LXII.


A Gralha e a Ovelha.

Huma Gralha ociosa pousou sobre o pescoço da Ovelha, e alli a repelava, e lhe tirava a lã, picando-a por entre ella. Virou a Ovelha o rosto dizendo: Essa manha ruim e antiga houvereis de deixala esquecer, que podeis ir picar hum rafeiro no pescoço, e matar-vos-ha levemente. Respondeo a Gralha: Já sou velha, e sei muito; e conheço a quem posso aggravar, e a quem devo affagar. Não temas que me ponha no pescoço do cão, senão no teu, que me não podes fazer mal.


MORALIDADE.


Esta Gralha significa alguns mal revoltosos, que de continuo andão molestando com obras e palavras os homens de bem e pacificos: mas quando encontrão algum duro dos fechos, encolhem os hombros, e passão com cumprimentos; porque com Ovelhas são Gralhas, e com Rafeiros são Ovelhas.