Fabulas de Esopo/O Asno e o Leão (fabula XX)

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
O Asno e o Leão


FABULA XX.


O Asno e o Leão.

O Asno simples e torpe encontrou com o Leão em hum caminho, e de altivo e presumpçoso se atreveo a lhe fallar, dizendo: Vades embora companheiro. Parou o Leão vendo este desatino e ousadia; mas tornou logo a proseguir seu caminho, dizendo: Leve cousa me fôra matar e desfazer agora este; porém não quero sujar meus dentes, nem as fortes unhas em carne tão bestial e fraca. Assim passou, sem fazer caso d’elle.


MORALIDADE.


Homens forçados e nobres soffrem cousas a outros baixos, que não soffrerião a seus iguaes; porque tem por affronta sujar as mãos en gente baixa. Pelo contrario ha muitos necios, como este asno, que favorecidos, e contentes de si, do bom vestido, e bom comer, sem mais partes querem logo roçar as conteiras com os fidalgos maiores da terra, como fazia este com o Leão rei dos outros animaes.