Fabulas de Esopo/O Asno e o Mercador

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
O Asno e o Mercador


FABULA XLVI.


O Asno e o Mercador.

Hum tendeiro caminhando para a feira levava hum Asno carregado de mercadoria, que de mui fraco andava de vagar. O Mercador cobiçoso com desejo de chegar dava tanto no Asno, que não podia bolir-se, que cahio no caminho com a carga e morreo. Depois de morto o esfolárão, e da pelle lhe fizerão hum tambor, em que andavão de continuo tangendo e batucando.

MORALIDADE.

Os que sabem aproveitar-se dos trabalhos da vida, e se apparelhão para a morte, descanção nella; porém os que como asnos morrem sem se lembrar que ha outra vida, depois de padecerem nesta suas desaventuras, são na outra escarnecidos e atormentados pelo demonio; pelo que com acerto são comparados nesta Fabula a jumentos, cuja pelle he na morte e na vida bera corrida.