Fabulas de Esopo/O Buitre e mais Passaros

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
O Buitre e mais Passaros


FABULA LXXIV.


O Buitre e mais Passaros.

O Buitre convidou a banquete todas as outras aves, dizendo que queria solemnisar o seu natal. Vierão muitas dellas, e recolhendo-as todas em hum aposento, depois que forão horas de cear, como todas estivessem assentadas esperando, vem o Buitre, e cerra as portas, e começa a matalas a huma e huma. Todas com medo avoejavão, por não haver alguma que se atrevesse com elle. E em fim elle sem piedade as matou, porque para isso as convidou, ou ao menos para as pilhar.


MORALIDADE.


Quando ricos e poderosos fazem aos pequenos mais honra do que costumão, ou os convidão com huma mercê de boca, ou com huma cadeira grande fóra do costume, por averiguado tenhão que ou sahirão mortos ou pellados. Porque os taes ordinariamente não estimão os outros, senão para seu proveito para se servirem ou das pessoas ou das fazendas.