Fabulas de Esopo/O Leão e outros Animaes

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fabulas de Esopo por Esopo, traduzido por Manuel Mendes da Vidigueira
O Leão e outros Animaes


FABULA LXVI.


O Leão e outros Animaes.

Eleito o Leão Rei de todos os animaes, prometteo de a nenhum fazer mal. E logo chamando-os a cortes, os poz por ordem e corria-os, dando-lhes a cheirar o seu bafo. Os que dizião que lhes cheirava mal, os matava. Os que dizião que bem, feria-os. Andando assim chegou á Mona e perguntou-lhe, como a todos, se lhe fedia o bafo. A Mona o cheirou e dizendo que não fedia, se foi. Porém o Leão pela matar, se fingio doente, e disse que sararia se a comesse. E por esta manha tomou occasião de a matar.

MORALIDADE.

Por mais Bogio que o homem seja, não póde livrar-se do Rei tyranno, porque ou falle, ou não falle, ou diga bem delle, ou mal, lá se ha de buscar huma occasião de o destruir, e como póde e quer, faz tudo a seu salvo.